humor lusófono

esta só pode ser piada…não pode ser notícia a sério….caso contrário se houvesse portugueses já teriam  feito a revolução que falta…

SERVIÇO PÚBLICO? SEI LÁ O QUE É ISSO!
O primeiro-ministro quebrou o silêncio mas foi pior a emenda que o soneto. A suas palavras foram vazias de conteúdo, confirmando-se as piores suspeitas: a sua cultura sobre o que é serviço público na tradição democrática e europeia é igual a zero! Passos Coelho assumiu finalmente em voz alta que não sabe “o que é que se entende por serviço público” e que é pre

ciso defini-lo primeiro. Na lógica dessa ignorância confessada, o primeiro-ministro citou, servilmente, o mentor do modelo: “António Borges referiu com muita clareza que a concessão era uma hipótese a ser considerada”, disse Passos qual discípulo remetendo para o “mestre” – um lapsus linguae que representa a confissão de que as declarações de Borges à TVI foram concertadas consigo e com Miguel Relvas.
Se o primeiro-ministro não sabe o que é o serviço público, pode pedir aos seus representantes em Bruxelas que lhe organizem um dossiê sobre os documentos da União Europeia relativos ao serviço público de rádio e televisão na Europa, incluindo as obrigações dos Estados-Membros sobre a matéria.

mais outra anedota abaixo:

também aqui….~em via verde…

e aqui…


-- 
Chrys Chrystello, An Aussie in the Azores/Um Australiano nos Açores 
[email protected]          http://oz2.com.sapo.pt      https://www.facebook.com/chrys.chrystello
BlogueS: http://lusofonias.net/aiclblog/ / http://coloquioslusofonia.blogspot.com  
sócios AICL: [email protected]
Página web:  www.lusofonias.net       
XVIII Colóquio GALIZA 2012 http://xviii.lusofonias.net

léxico da Galiza

Era apenas para anunciar, se é do seu interesse, que:
O léxico da Galiza está já no Wikcionário (http://pt.wiktionary.org/wiki/Wikcion%C3%A1rio:P%C3%A1gina_principal).
Desde a Wikipédia, no Anexo Léxico da Galiza (http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:L%C3%A9xico_da_Galiza) podem ir ver as palavras.
Animo a que os verbetes sejam ampliados, corrigidos.
Saudações.

filme de drummond de andrade

O Padre e a Moça (filme)
(http://joaojorgereis.blogspot.com.br/2012/08/o-padre-e-moca-filme.html)

ObraO padre, a moça, poema de Carlos Drummond de Andrade
FilmeO PADRE E A MOÇA
Direção: Joaquim Pedro de Andrade
Roteiro: Joaquim Pedro de Andrade e Carlos Drummond de Andrade (poema)
Ano Produção: 1965
Elenco: Helena Ignez, Paulo José, Fauzi Arap, Mario Lago, Rosa Sandrini.

língua portuguesa e cplp

Crescente interesse pelo português é “um avanço conjunto” da CPLP

Crescente interesse pelo português é "um avanço conjunto" da CPLP

A linguista brasileira Edleise Mendes é perentória: “O sucesso económico do Brasil e Angola está a puxar internacionalmente o interesse pelo português”, mas o fenómeno traduz também “um avanço conjunto” da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa).

28-08-2012

“Estamos a viver o `boom` do português e a crescer como bloco cultural e linguístico”, realçou Edleise Mendes em declarações à agência Lusa em Pequim.

“Creio que o português nunca esteve em tão boa forma e a tendência é para crescer e crescer muito”, acrescentou.

Presidente da Sociedade Internacional de Português-Língua Estrangeira (SIPLE), fundada há vinte anos no Brasil, a professora Edleise Mendes participou na semana passada em Pequim e em Macau num colóquio sobre o ensino do português e do chinês na China e na CPLP.

Foi uma iniciativa do Fórum de Macau para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e a CPLP, para “valorizar a expansão do português e as relações económicas e políticas” entre os dois blocos.

“O português é uma língua que tem valor económico e temos que aproveitar o momento económico e político para puxar os outros ganhos”, defendeu Edleise Mendes.

Segundo também destacou, “há mais de 250 milhões de falantes do português no mundo inteiro” e o próximo Mundial de futebol, que decorrerá no Brasil em 2014, e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, dois anos depois, serão “um pontapé adicional na divulgação da língua portuguesa”.

“Há centenas de pessoas a aprender português só por causa desses acontecimentos”, indicou Edleise Mendes.

A especialista insistiu, contudo, que no espaço da lusofonia há “varias línguas em português” e não apenas a “variante” portuguesa ou brasileira.

“É muito rico falarmos a mesma língua e pertencermos a diferentes matrizes culturais”, afirmou. Ler o artigo completo.

hilariante

Entre as inúmeras mensagens com embustes/ardis que recebo todos os
dias, esta aqui fez-me interromper o trabalho para rir-me um
pouquinho:
——–
Olà,
Ao agradecer-lhe a atenção que você dá para o meu maior desejo, eu
quero que você saiba que eu não era pessoa errada escrevendo esta
mensagem. O meu desejo fervoroso sempre foi para atender um anônimo
indivíduo para que ele leva para a ação social através de uma
fundação. No entanto, compreendo a sua surpresa com minha abordagem.
Meu nome é Brigitte Pagny nascido 27 março de 1944 a nacionalidade
francesa, mas atualmente sob observação médica em um hospital
localizado no Reino Unido. Eu tive que contatá-lo desta maneira,
porque eu quero levar com você para doar uma quantia de 800.000 €, no
interesse de ajudar as pessoas em necessidade, fazer felizes as
famílias pobres, órfãos, auxiliar os jovens empresários à procura de
financiamento para crescer suas indústrias …… em torno de você.
Minha vida profission al tem sido um turismo real, especialmente desde
que eu sempre viveram longe de meu país. A primeira para o Kuwait,
onde eu trabalhava no negócio do petróleo para dois anos. Então eu
estava no Benin (2001) onde montei várias empresas (imóveis,
engenharia …) É neste país tão acolhedor que eu conheci a verdadeira
felicidade, que do casamento com uma canadense que também trabalhou
lá. Infelizmente não tivemos a chance de ter filhos. Depois de cinco
(05) anos juntos, meu marido perdeu a vida após uma longa doença.
Então eu fui deixada sozinha novamente com um mordomo à minha
disposição e um cachorro até chegar ao câncer de limitar a minha vida.
Em breve será de quatro anos que eu luto contra essa doença e da
medicina não pode fazer nada sobre os resultados dos exames médicos os
meus dias são numerados de acordo com a investigação do meu médico
assistente. Eu havia bloqueado o dinheiro é tão importante em um dos
bancos em Benin para um projeto de c onstrução. Eu vou ser ralado para
você esse dinheiro confiado ao meu projeto de doação de sucesso.
Chamei-te para aceitar isso porque é um dom de uma mulher morrer, e
sem pedir nada em troca. Por favor, me responda o mais rápido possível
para o meu e-mail aqui:xxxxx
————

:-))

AO1990

O Acordo será obrigatório
Arnaldo Niskier

A proximidade do dia  1º de janeiro de 2013, quando se tornará obrigatório, em nosso país, o respeito aos termos do Acordo Ortográfico de Unificação da Língua Portuguesa, torna essa discussão ainda mais acesa.  O Brasil, na verdade, recebeu muito bem as poucas modificações propostas, entre as quais se incluiu o fim do trema, além de uma simplificação vernacular que já veio tarde.

Na imprensa portuguesa, vez por outra, publica-se crítica à existência do Acordo Ortográfico de Unificação da nossa língua.  Alguns jornais afirmam que os filólogos brasileiros encheram o documento de “bizarrices inúteis”, enquanto outros reclamam que a Academia das Ciências de Lisboa, parceira do projeto, errou pelo excesso de “cedências” às hipotéticas pressões neocolonialistas do Brasil.

É evidente que nada disso faz sentido.  Devemos ter mesmo só uma forma de expressão escrita, para  que o nosso idioma passe a ser, estrategicamente, adotado como uma das línguas oficiais da  Organização das Nações Unidas.  Falar é outra coisa.  Cada um segue falando de acordo com a sua tradição.

Da mesma forma, não se pode defender a existência interna de uma separação linguística, dividindo o falar do rico e o do pobre.  O Vocabulário Ortográfico, editado pela Academia Brasileira de Letras, tem 370 mil verbetes, o que é uma amostra da sua força e da disponibilidade das palavras para todos.  Machado de Assis  fez toda a sua extraordinária obra de romancista com o emprego de somente 16 mil vocábulos.

Temos uma realidade plurilinguística, considerando-se basicamente que a norma padrão (culta) deve ser respeitada nos códigos escritos, pois são esses que, mais tarde, os estudantes terão que utilizar nos seus diversos concursos.  Veja-se o que aconteceu na seccional paulista da OAB.  Dentre os 20.237 candidatos (advogados formados – bacharéis em direito) o índice de reprovação foi de 92,8%, o que levou o presidente Luiz Flávio Borges D’urso a afirmar que “há pessoas que chegam à prova e não sabem conjugar verbos ou colocar as palavras no plural”.  Vocês já imaginaram as petições que serão escritas por essa gente?

Para debater o assunto, que envolve também o uso exagerado do terrível   internetês, as Academias Brasileira e Paulista de  Letras realizaram seminários em defesa da língua portuguesa.  Na ocasião, comemorou-se o fato de que a venda de jornais cresceu significativamente, nos dois últimos anos, o que desmente a tese catastrofista de que os impressos em geral serão desbancados em curto espaço de tempo pela mídia eletrônica.  Num estudo intitulado Medium Matters, da Universidade de Oregon (EUA), afirma-se que um leitor de jornal em papel retém o conteúdo mais que um leitor online.  Isso parece ter sido percebido pelo povo brasileiro, inclusive os integrantes da sua ampliada classe média.

Antes de nos entregarmos totalmente ao emprego do tablete, convém que se preparem mais adequadamente  os nossos professores e especialistas.  Encher as escolas, desordenadamente, de computadores de todos os tipos não será a forma de promover o que é essencial: o conhecimento mais profundo dos mistérios e da beleza do idioma de Fernando Pessoa e Manoel Bandeira.

* Arnaldo Niskier, membro da Academia Brasileira de Letras, é presidente do CIEE/RJ.

[Fonte: www.jb.com.br]

atividades culturais do 18º colóquio da lusofonia

3.5. (MÚSICA) (TEATRO) (ARTE)

3.5.1. CANCIONEIRO AÇORIANO: ANA PAULA ANDRADE (CONSERVATÓRIO REGIONAL DE PONTA DELGADA) (PIANO) e CAROLINA CONSTÂNCIA (VIOLNO)

3.5.2. Concerto: FESTIVAL ESTOU LÁ Apresentação de Xurxo Martíns. Artistas: ENEIDA MARTA: (http://www.myspace.com/martaeneida) (Guiné Bissau); NAJLA SHAMI (http://www.myspace.com/najlashami) (Galiza – Palestina); Couple Coffee (Luanda Cozzetti/Norton Daiello) (http://www.myspace.com/couplecoffee) (Brasil); XOÁN CURIEL http://www.myspace.com/xoancuriel (Galiza); JOÃO AFONSO (http://www.myspace.com/joaoafonsomusic) (Portugal). Banda: Serginho Sales (teclado) http://www.myspace.com/serginhosales (Brasil), Paulo Silva (percussão) http://www.myspace.com/paulosilvasambafunkmantra (Brasil), Pablo Vidal (Baixo) (Galiza)

3.5.3. TEATRO COM JANAINA SANTANA (BRASIL)

3.5.4. TEATRO: ESPETÁCULOS DO FITO (FESTIVAL DE TEATRO DE OURENSE)

3.5.5. MOSTRA DE ARTESANATO DO NORDESTE, ILHA DE SÃO MIGUEL, AÇORES

3.6. EXPOSIÇÕES

3.6. 1. EXPOSIÇÃO INÉDITA DE PINTURA – MANUEL POLICARPO (VASCO PEREIRA DA COSTA)

3.6.2. EXPOSIÇÃO INÉDITA DE ARTE PLÁSTICA DE ZÉ NUNO DA CAMARA PEREIRA

3.7. LANÇAMENTO DE LIVROS:

  • 40 ANOS DE VIDA LITERÁRIA: “CRÓNICA DO QUOTIDIANO INÚTIL (VOL. I-V)” DE J CHRYS CHRYSTELLO E
  • “TIMOR-LESTE, 1983-1993, VOL. 2 HISTORIOGRAFIA DE UM REPÓRTER” (2ª EDIÇÃO EM DVD-LIVRO COM MAIS DE 3670 PÁGINAS, INCLUINDO VOL. 1 O DOSSIÊ SECRETO 1973-1975 E VOL. 3 AS GUERRAS TRIBAIS. A HISTÓRIA REPETE-SE 1894-2006),
  • ANTOLOGIA DE AUTORES AÇORIANOS CONTEMPORÂNEOS DE HELENA CHRYSTELLO E ROSÁRIO GIRÃO
  • NÂNTIA E A CABRITA D’OURO DE CONCHA ROUSIA
  • ILHÍADA, ANTES E DEPOIS (POESIA, 1972-2012) DE VASCO PEREIRA DA COSTA
  •  A COR DO SUL NOS TEUS OLHOS, DE EDUARDO BETTENCOURT PINTO

literatura sobre baleeiros do Pico

Garland-Lewis, Gemina, in "National Geographic Explorers Journal," 20 & 31
Jul; 9, 14, 23 & 27 Aug 2012.

1. "Living Memory of Moby-Dick Style Whaling Alive in the Azores":
http://newswatch.nationalgeographic.com/2012/07/20/living-memory-of-moby-dick-style-whaling-alive-in-the-azores

2. "More Stories From Former Whalers in the Azores":
http://newswatch.nationalgeographic.com/2012/07/31/more-stories-from-former-whalers-in-the-azores

3. "Survivor’s Tale From the Jaws of a Sperm Whale":
http://newswatch.nationalgeographic.com/2012/08/09/survivors-tale-from-the-jaws-of-a-sperm-whale

4. "Former Whalers Reveal Emotions Behind Their Final Hunt":
http://newswatch.nationalgeographic.com/2012/08/14/former-whalers-reveal-emotions-behind-their-final-hunt

5. "Rivalry at Sea: Conversations Among Former Whalers":
http://newswatch.nationalgeographic.com/2012/08/23/rivalry-at-sea-conversations-among-former-whalers

6. "Whaler’s Week: Stories From a Whaling Lookout":
http://newswatch.nationalgeographic.com/2012/08/27/whalers-week-stories-from-a-whaling-lookout

4 universidades portuguesas entre as melhores

Quatro universidades portuguesas nas 400 melhores do mundo

Universidades de Aveiro, Porto, Coimbra e Nova de Lisboa distinguidas pela revista Times Higher Education

Por: tvi24 / SM  |  6- 10- 2011  16: 15

 

Estudantes

Quatro universidades portuguesas fazem parte das 400 melhores instituições de ensino superior a nível mundial, segundo o ranking da revista Times Higher Education (THE), divulgado esta quinta-feira.

A Universidade de Aveiro é a que surge numa posição mais alta, em 304ª lugar, seguida pela Universidade do Porto, que ocupa a 333ª posição. A Universidade de Coimbra está no 355º lugar e a Universidade Nova de Lisboa ocupa a 381ª posição.

Este ano, a THE ampliou o ranking, de 200 para 400 instituições. A liderança continua a ser dos Estados Unidos, mas trocou de mãos, em relação ao ano passado: o California Institute of Technology (Caltech) passou do 2º para o 1º lugar, ultrapassando a Harvard University. Das dez mais bem colocadas, sete são americanas: Stanford University, em 3º lugar; Princeton University, em 5º lugar; MIT, em 7º; University of Chicago, em 9º; e University of California, em Berkeley, em 10º lugar. Completam o top 10 três universidades britânicas: University of Oxford, em 4º lugar; University of Cambridge, em 6º; e o Imperial College London, em 8º lugar.

No total das 400 universidades, a Europa lidera com 175 instituições, segue-se a América do Norte com 131, a Ásia com 60, a Oceânia com 27, África com 4 e América do Sul com 3.

O ranking baseia-se em critérios como ambiente de ensino; número, resultado e reputação de pesquisas feitas na instituição; número de citações em jornais e artigos científicos; inovação e articulação com a indústria; e presença internacional de estudantes, professores e investigadores.

poesia assis pacheco

Fernando Assis Pacheco – Portugal

( 1937 – 1995 )

SONETO

Juntei-me um dia à flor da mocidade

partindo para Angola no Niassa

a defender eu já não sei se a raça

se as roças de café da cristandade

a minha geração tinha a idade

das grandes ilusões sempre fatais

que não chegam aos anos principais

por defeito da própria ingenuidade

a guerra era uma coisa mais a Norte

de onde ela voltaria havendo sorte

à mesma e ancestral tranquilidade

azar de uns quantos se pagaram porte

esses a que atirou a dura morte

diz-se que estão na terra da verdade

Lisboa, 28-IV-94

(de “Respiração Assistida”)

Foi jornalista, crítico, tradutor. A sua escrita é caracterizada por uma veia jocosa e satírica. Deixou marcas de grande cronista no “Diário de Lisboa”, na “República” e no “JL”. Obra poética: “Cuidar dos vivos” (1963), “Câu Kiên: Um Resumo” (1972) sob camuflagem vietnamita e que em 1976 conheceria a versão definitiva “Katalabanza, Kilolo e Volta”. Reuniu toda a poesia em “Musa Irregular” (1991). Saiu postumamente o volume “Respiração Assistida” (2003).

Partilhar isto:

celebração da independencia de timor

Timor é hoje um país livre e independente.

30 de Agosto de 2012, 00:19

 

A 30 de Agosto de 1999, o povo timorense foi chamado às urnas para escolher o seu futuro. Timor foi reconhecido como país livre e independente pela comunidade internacional, graças ao Referendo. Passados treze anos este dia inesquecível é recordado por quem lutou e resistiu mais de 25 anos de ocupação indonésia, num dia que se tornou feriado.

 

De um total de 451.796 eleitores recenseados, 446.953 votaram no referendo, ou seja cerca de 98,9%. Dos votos validamente expressos, 344.580 (78,5%) optam pela independência e 94.388 (21,5 %) pela autonomia. A 4 de Setembro foram anunciados os resultados. A Indonésia nessa mesma manhã anuncia a retirada com actos violentos de destruição generalizada e deportação forçada para Timor Ocidental de cerca de 300 mil timorenses.

 

Os que conseguem escapar à acção das milícias refugiam-se nas montanhas. Após uma semana de destruição e morte a Indonésia aceita o apoio internacional para restabelecer a ordem e a 20 de Setembro a INTERFET (International Force for East Timor) , liderada pela Austrália, entra em Timor.

 

Na sequência do referendo de 1999, a zona Este de Timor Leste foi separada da Indonésia e ficou sob a supervisão das Nações Unidas, antes do Estado timorense ter sido proclamado a 20 de Maio de 2002.

 

Em Portugal, a 8 de Setembro de 1999, o Diário de Notícias, o Jornal de Notícias e a TSF lançam a iniciativa “Dia branco – Solidariedade por Timor” que consistia em cercar as principais embaixadas em Lisboa. Esta acção de mobilização teve uma enorme adesão do povo português. Imagens do cordão humano e dos três minutos de silêncio em solidariedade para com o povo Timorense foram divulgadas pelos media nacionais e internacionais. Este cordão humano de cerca de dez quilómetros passava frente às embaixadas dos Estados Unidos, França, Inglaterra, Rússia, China e sede da ONU.

 

Ao mesmo tempo, em Madrid, numa manifestação frente à embaixada da Indonésia uma multidão gritava “Timor vencerá” mostrando cartazes com frases como “Free East Timor”.

 

Actualmente, os desafios para atingir um maior desenvolvimento em Timor são uma constante . Apesar de alguns momentos de instabilidade vividos nos primeiros anos da restauração da independência, pode-se dizer que o balanço é positivo.

 

A procura pela Justiça, por um melhor sistema de Saúde, pelo investimento na Educação, criação de Infra-estruturas, apoio à economia, combate ao desemprego e boa Administração Pública, são áreas ainda por desenvolver.

Vários são os países que têm cooperado nesse sentido Portugal, Austrália, Brasil, entre outros. Grande tem sido a determinação dos timorenses na construção do seu futuro, em democracia e liberdade. De realçar as eleições presidenciais e legislativas que decorreram com respeito pelo pluralismo e sem grandes incidentes.


 

Comentários

galiza cplp

Brasília: 30 de Agosto de 2012 05:27  Compostela e Lisboa: 30 de Agosto de 2012 09:27  Luanda: 30 de Agosto de 2012 09:27  Maputo: 30 de Agosto de 2012 10:27
Pagina Principal  Galiza  Língua/Educaçom  Pode a Galiza entrar na CPLP?
  • Imprimir
  • E-mail
Arquivado em: lusofonia  português  galego  galego-portugues  cplp

( 0 votos )

Galiza –
Língua/Educaçom
Publicado em Quinta, 30 Agosto 2012 10:24

300812 lusofoniaGaliza – Lusoafonia – Aproximadamente um mês atrás informávamos da admissão a trâmite da ILP «Valentín Paz-Andrade». Trata-se de uma iniciativa cidadã para potenciar os vínculos da Galiza com o resto da Lusofonia a partir de três eixos de atuação: 1) incrementar a presença da língua portuguesa no ensino, 2) situar como objetivo estratégico da Junta o relacionamento com os países de língua oficial portuguesa e 3) adotar as medidas necessárias para garantir a receção das TV e rádios portuguesas na Galiza.


No terreno político, o BNG apresentou uma proposta que desenvolve o aprovado no mês de janeiro pela sua assembleia nacional e resulta complementar dos objetivos da ILP: coincide na temática do segundo ponto da iniciativa, e concretiza-a num aspeto concreto, a incorporação da Galiza à CPLP, se bem como observadora associada.

Apesar de o próprio presidente da Junta, Alberto Núñez Feijóo, ter vindicado várias vezes que o galego nos situa na Lusofonia (maio de 2012 e outubro de 2009 são apenas dois exemplos), o certo é que o seu partido, o PP, votou no ano passado contra uma proposta para potenciar o ensino da língua portuguesa na Galiza.

O que fará agora o PP diante da proposição não de lei do BNG? O que fará o próximo Governo da Galiza com a ILP Paz-Andrade se esta atingir as assinaturas necessárias? E, acima de tudo,realmente pode a Galiza entrar na CPLP?

O artigo 35.3 do estatuto de autonomia da Galiza recolhe a possibilidade de estabelecer tratados ou convénios que permitam o estabelecimento de relações culturais com os Estados com que mantenha «particulares vínculos culturais e lingüísticos». Portanto, a Galiza pode solicitar adesão.

Por outra, parte, o artigo 7.1 da CPLP permite a entrada como observadores associados de aquelas entidades territoriais dotadas de órgãos de administração autónomos, condição que a Galiza cumpre, portanto a sua solicitude poderia ser admitida.

Foto: AGAL

lusa em timor

Quarta-feira, 29 de Agosto de 2012

Agência Lusa responsável pelo estudo de viabilidade de agência de notícias de Timor-Leste

JCS – Lusa, com foto
Díli, 29 ago (Lusa) – A agência Lusa vai realizar até novembro o estudo de viabilidade da criação da Agência de Notícias de Timor-Leste (ETNA), salientou hoje o ministro de Estado e da Presidência do Conselho de Ministros timorense.
Em declarações aos jornalistas após a assinatura de protocolos de cooperação com Miguel Relvas em representação do Estado português, Hermenegildo Pereira salientou a cooperação entre a Lusa e a ETNA – ainda em embrião – desde 1997, e referiu que essa parceria que agora é reforçada foi “essencial” para revelar ao mundo o que se passava em Timor-Leste.
“A cooperação não é recente já que foi acordada em 1997”, assinalou o ministro destacando também que a Lusa está permanentemente em Timor-Leste desde 1999.
Além de um protocolo genérico com o Estado Português, foram também rubricados os protocolos adicionais que envolvem a agência Lusa, a RTP, o Cenjor e a Universidade Católica, tendo cada uma das empresas ou entidade estado representada na cerimónia que decorreu no Palácio do Governo da capital timorense.
Além da Lusa, representada pelo seu presidente, Afonso Camões, o ministro Hermenegildo Pereira salientou também a cooperação do Cenjor no apoio à formação de jornalistas locais, a RTP que “tem ajudado na evolução” da televisão e rádio públicas e referiu que Timor-Leste “quer mais formação para colmatar lacunas”.
“Portugal tem, sem dúvida, uma experiência que Timor-Leste tem que saber usufruir”, acrescentou o ministro ao salientar que o país tem aproveitado essa experiência.
Por isso, disse, o que hoje foi assinado “dá continuidade e eleva o vigor e a determinação dos nossos Governos em prosseguir com o mesmo processo e de avançar com a consolidação da capacitação individual e o nível de profissionalismo dos media”.
Hermenegildo Pereira, disse ainda que o estudo de viabilidade da agência noticiosa timorense “é uma pedra crucial” para o futuro de forma a inscrever no orçamento do país para 2013 as verbas necessárias para a sua criação.
– Nota PG: Apesar desta notícia tão positiva é de lamentar o tempo que está a ser levado para concretizar o anunciado. Lamentavelmente isso não invalida que a Agência Lusa continue a assegurar o seu serviço de informação a partir de Timor-Leste, como anteriormente acontecia. A rebaldaria no trato das obrigações da Agência Lusa no que a Timor-Leste diz respeito é inadmissível. Isso mesmo temos vindo energicamente a denunciar e a repudiar. Por considerarmos pertinente mantemos as nossas observações no parágrafo que se segue e que temos vindo a fazer acompanhar algumas das notícias da Agência Lusa. Responsabilidade é aquilo que os da lusofonia exigem ao serviço que a Lusa tem por obrigação cumprir.
E a Agência Lusa perdeu a cabeça? Foi a Timor-Leste? Anda exclusivamente, atenta, veneranda e obrigada a cobrir o ministro Relvas e os seus chefes Lusa e RTP? Ou ganhou vergonha e vai cumprir o que lhe compete relativamente a um país lusófono passando a estar sempre presente em TL e fazer a cobertura diária dos principais acontecimentos daquele país? É que já lá vão cerca de dois meses que está em falta com o que deve nesse aspeto aos portugueses e a centenas de milhões do mundo da lusofonia.
*Ver foto “VAI ESTUDAR Ó RELVAS” no título PG TIMOR-LESTE TAMBÉM MANDA MIGUEL RELVAS IR ESTUDAR
Leia quase tudo sobre Timor-Leste (símbolo na barra lateral)

descobertas construções megalíticas na ilha terceira

Descoberta construções megalíticas e arte rupestre Ilha Terceira/Açores/Portugal Insular: Telejornal -Açores – RTP Play – RTP

O arqueólogo Nuno Ribeiro, presidente da Associação Portuguesa de Arqueólogos, diz ter encontrado vestígios de arte rupestre na Terceira que provam que os Açores não foram descobertos pelos portugueses.

Em declarações à Antena 1 Açores em Ponta Delgada, o arqueólogo diz que existem vários vestígios a carecer de estudo, incluindo construções, que podem sustentar a tese de que outros povos terão estado nas ilhas antes dos portugueses.

 

Nuno Ribeiro queixa-se do pouco empenho das autoridades regionais em facilitar o estudo do assunto e acrescenta que existem universidades estrangeiras interessadas na questão.

Antena 1 Açores

8/29/12, Joaquim Fernandes, historiador, compartilhou:

Caros amigos,
Revejam o Telejornal/RTP Açores de ontem, a partir do minuto 3′ 34”.
Foi mais ou menos isto que “prenunciei” com laivos de inconsciente “profecia” no meu romance histórico “O Cavaleiro da Ilha do Corvo”,
que publiquei em 2008: a história desconhecida e ignorada da Macaronésia atlântica era uma inconveniência para a gesta lusitana de “500”. 
Passados 4 anos a História emerge do longo sono do Passado parecendo quere dar-me razão e, sobretudo, justiçar essa voz incómoda que foi Damião de Góis que revelou em primeira mão que os portugueses não haviam sido os primeiros
a habitar e a colonizar as ilhas açorianas… A estátua do enigmático cavaleiro encontrado na Ponta do Marco confirma tal pressuposto.
As desejadas escavações no terreno irão esclarecer – e provavalemente diluir – este episódio de ficção histórica traduzida na nossa
pseudo prioridade da navegabilidade e descobertas no Atlântico…
Esta é uma das mais inesperadas NOTÍCIAS dos últimos 5 séculos!
Um abraço, 
Joaquim Fernandes, PhD
Rua Francisco Sena Esteves, 22, 3º Dtº Tras.
4200-604 Porto
Portugal
Telf.228317397
Tlm. 917338986 


CTEC Board – Centro Transdisciplinar de Estudos da Consciência 
Universidade Fernando Pessoa
Praça 9 de Abril, 349
4249-004 Porto



Sent: quarta-feira, 29 de Agosto de 2012 11:36
Subject: Descoberta construções megalíticas e arte rupestre Ilha Terceira: Telejornal -Açores – RTP Play – RTP
Anunciada descoberta de construções megalíticas e arte rupestre na ilha Terceira pelo Prof. Doutor Félix Rodrigues Univ. Açores. Façam por favor a divulgação.
Com os melhores cumprimentos,
Nuno Ribeiro
Telejornal РA̤ores РRTP Play РRTP

Source: rtp.pt

 

 

Descoberta arte rupestre na Terceira

O achado desta arte milenar reforça a convicção de que a ocupação humana nos Açores é anterior à chegada dos portugueses.

O presidente da Associação Portuguesa de Investigação Arqueológica (APIA) revelou ontem a existência de arte rupestre na ilha Terceira.

Nuno Ribeiro, que esteve presente na Universidade dos Açores para uma conferência subordinada ao tema “Ocupações humanas pré-portuguesas nos Açores: mito ou realidade?”, afirmou que foi encontrado “um sítio de arte rupestre com características que nos fazem acreditar que remonta à Idade do Bronze”.

A convicção de a ocupação humana no Arquipélago ser anterior à chegada dos portugueses é, assim, reiterada, tendo Nuno Ribeiro salientado que, nos últimos três anos, foram descobertos em várias ilhas açorianas vestígios de estruturas “que indiciam, pela sua arquitetura e construção, serem de origem pré-portuguesa”.

 

JornalDiario

2012-08-29 13:00:00


que rumo para angola?

ANGOLA

“Que rumo para Angola?”, por Fernando Pacheco

Redação revista África21
27/08/2012 10:15
“Denunciei na altura que não era justo que o MPLA se apropriasse de um trabalho pago pelo Governo, e impedisse que ele chegasse ao conhecimento de quem não pertencesse a um círculo muito restrito de dirigentes políticos e governantes”, escreve Fernando Pacheco.
1

Brasília – O presidente da República afirmou em outubro de 2011 que o país tem um rumo. Surpreendentemente, explicitou que tal rumo está contemplado no chamado Plano 2025, um documento orientador das políticas públicas muito pouco conhecido, porque foi, de modo bizarro, então considerado secreto pelo Governo. Afinal, tal plano constituiu o suporte da Agenda Nacional de Consenso (ANC), proposta pelo MPLA à nação em 2005 como um projeto abrangente de desenvolvimento até 2025.

Denunciei na altura que não era justo que o MPLA se apropriasse de um trabalho pago pelo Governo, e impedisse que ele chegasse ao conhecimento de quem não pertencesse a um círculo muito restrito de dirigentes políticos e governantes. Ao retirar o Plano 2025 da gaveta, o presidente não fez qualquer referência à ANC e já quase ninguém se lembra dela. Recordo, porém, que ambos os documentos conformaram o programa de Governo do «partido» (assim é frequentemente designado, de modo sintomático, o MPLA) para o período 2009-2012.

Com o calar das armas, Angola dispôs de uma notável oportunidade de construir um país diferente, beneficiando das lições aprendidas dos outros e das novas ideias de desenvolvimento sustentável nas dimensões sociais, económicas, ambientais e institucionais, com ampla participação de todas as forças políticas, sociais e económicas. Que aproveitasse a reconstrução das infraestruturas do país para restaurar antigas capacidades e arquitetar novas, reduzir distâncias geográficas ou sociais, mas também políticas e estruturais; para aumentar a interação social e a ação coletiva, a autoconfiança e a autoestima; para recriar o tecido de relações sociais que envolvam todos os cidadãos de cada região numa perspetiva de integração no todo nacional visando a correção das assimetrias.

Leia versão integral na edição impressa da revista África21 (N.º 66, AGOSTO 2012). Para assinar a revista contacte: [email protected]