XANANA, CEM ANOS DE SOLIDÃO E O PLANTADOR DE ABÓBORAS

O PLANTADOR DE ABÓBORAS
Claro que me sinto triste em ver este estado a que chegou Xanana Gusmão. Apesar de tudo continuo a nutrir pela sua pessoa uma grande admiração da mesma forma que tenho pelo coronel Aureliano Buendia dos ” Cem anos de solidão”. O mesmo trágico destino dos grandes homens que tiveram tudo na mão e deitaram tudo a perder. As lágrimas do general Lere que o visitou para o convencer a ser realista, mostram isso. Só não sei como acaba este romance que o próprio escreve. Xanana Gusmão é um homem solitário rodeado de muita gente. Preferia que fosse um homem de uma grande solidão: O plantador de abóboras.
REALISMO MÁGICO
Não sendo possível demovê-lo da sua intenção de continuar a guardar o corpo do morto, a solução seria acordar o defunto do seu descanso eterno. Imaginem só o que seria se abrisse o portão e desse de caras com Xanana Gusmão e dizer que queria ir para casa e não ser o foco da discórdia. Claro que arriscaria a levar com um par de bofetadas como fez o líder máximo com os seus familiares. Mas é uma hipótese. Arranjem alguém que se faça passar pelo morto.