LUIS FILIPE SARMENTO 3º GALOPE

3º Galope

Ao vagabundo as portas da percepção abrem fronteiras sem as eternas preocupações com a eternidade porque ele sabe na sua intuição magnetizada pela desconfiança pelo álcool pelas drogas pelo frio pelo suor ácido que ninguém sabe o que é a imortalidade e é essa a indiferença poética dos vagabundos e a sua liberdade incondicional das ruas perfeitas com salões de festa e confraternização de amores casuais entre papelões e sussurros sem dentes numa perfeita harmonia da indigência descomplexada de luxos e outras artimanhas sociais que lhes estão tão distantes como as supernovas que vão morrendo por esse universo fora quando na juventude foram estrelas vagabundas como os vagabundos foram projectos prisioneiros das sociedades cosmopolitas da velocidade e do engano e tornaram-se ascetas com razão própria entre as multidões tristes das cidades corpulentas agressivas e moribundas que se vão descalçando sem destino e alheias aos venenos das águas como turbas alucinadas nas autoestradas das ficções digitais em busca do que não conhecem e nem sabem dirigindo-se para o rápido desmoronamento de uma existência perante a insustentabilidade do edifício capitalista de que são inquilinos expulsos em cada minuto pela exploração mediática dos criadores de globalizações fictícias temendo a nudez dos vagabundos como se fosse essa a condição que os espera em cada esquina em que o mistério da agonia espreita sob os ossos da caveira como rasgões no seu futuro suburbano entre paredes a prestações que os bancos soletram nos incomportáveis juros para que a exploração seja o prólogo da decadência decretada pela nova ordem mundial porque o efectivo populacional é excessivo e lhe retira aos descendentes o luxo previsto de desperdício assumindo entre linhas de cocaína o desprezo e o ódio pelo mundo perfumado pelos fétidos odores até ao sepulcro do silêncio

Luís Filipe Sarmento, «Rouge – galopar», 2020
Foto: Isabel Nolasco

Image may contain: one or more people and close-up

Publicado por

lusofonias.net

Chrys Chrystello jornalista, tradutor e presidente da direção e da comissão executiva da AICL