INSOLVÊNCIA CULPOSA NA AZORES PARK

Image may contain: house, sky and outdoor

Carmen Ventura

Antena 1 Açores – Insolvência culposa na Azores Park.
É assim que o Ministério Público a qualifica e requer a inibição dos antigos e actuais administradores da ex-empresa municipal.

“Carlos Silveira, Kaled Saleh, José Manuel Bolieiro, Luisa Magalhães, Humberto Melo e Maria José Duarte.
São antigos e actuais administradores da Azores Park que o Ministério Público quer ver inibidos durante seis anos para o exercício de várias funções
O Ministério Público não tem dúvidas. Concorda com a exposição apresentada pelo Adminsirador da insolvência e pede ao Tribunal que declare insolvência culposa.
Requer também que sejam responsabilizados por esta insolvência culposa os antigos e actuais administradores.
O Ministerio Publico considera que os administradores da Azores Park que pertenciam à Câmara nunca promoveram a sua apresentação à insolvência, embora tivessem conhecimento do passivo da mesma: 11 milhoes de euros.
Lê-se no Parecer do Ministério Público, a que a Antena 1 Açores teve acesso, que a venda à Alixir Capital deve ser imputada a título pessoal aos anteriores administradores da Azores Park que integravam simultaneamente o conselho de administração da empresa e a Camara de Ponta Delgada, pois sabiam do prejuízo que essa venda iria causar aos credores da sociedade.
O Ministério Público diz que antes pelo contrário. Tudo leva a crer que a AZores Park foi vendida pela Câamara a uma empresa fantasma, com o único propósito de evitar a sua dissolução e internalização e aumento do passivo no orçamento camarário.
Depois da venda, lembra o Ministério Público, a nova administração iniciou a delapidação e dissipação do património social, como provam os contratos de empréstimo da Azores Park a favor da Alixir Capital e a venda de imóveis pela Azores Park em 2019.
Adianta ainda que o Administrador de Insolvencia apresenta documentos que permitem concluir que entre Abril e Novembro de 2019, houve delapidação de património, quer através da celebração de negócios quer através da subtracção de valores da conta bancária da Azores Park. Tudo em benefício da Alixir Capital.

Este Parecer do Ministério Público está em linha com o que foi apresentado pelo Administrador de Insolvência.
O Tribunal de Ponta Delgada vai ouvir os anteriores e actuais administradores da Azores Park.
Nuno Casanova, advogado do Santander, o banco que é o maior credor da Azores Park, explica o que se segue agora: o Tribunal tem quinze dias para notificar os antigos e actuais administradores da Azores Park para se defenderem. Se o Tribunal decidir acolher a proposta do Ministério Público, deverá decidir pela inibição dos antigos e actuais responsaveéis. De fora, fica, por enquanto, a suspensaõ de funções politicas. (CV)
https://www.facebook.com/antena1acores/videos/286181802812172/

Comments