notícias 29.3.18 pg global

PÁGINA GLOBAL

MÉRITO NA VENEZUELA BOLIVARIANA A UM EXPOENTE DA CULTURA UNIVERSAL, ÁVIDO DA CIVILIZAÇÃO SUBSTANTIVA EM PLENO SÉCULO XXI!
AS NOVAS DITADURAS LATINO-AMERICANAS
Facebook e extrema direita: somos cúmplices?
À BEIRA DA GUERRA NUCLEAR
PORTUGAL | Foi você que pediu um hospital?
Portugal | VILANAGEM DO ENSINO PRIVADO NÃO SE FARTA
NO RASTO DOS EUA/RU | Embaixador português em Moscovo chamado a Lisboa

MÉRITO NA VENEZUELA BOLIVARIANA A UM EXPOENTE DA CULTURA UNIVERSAL, ÁVIDO DA CIVILIZAÇÃO SUBSTANTIVA EM PLENO SÉCULO XXI!

Posted: 28 Mar 2018 04:53 AM PDT

Martinho Júnior | Luanda

Por uma imensa causa, a Venezuela está de luto: faleceu o maestro e humanista José António Abreu Anselmi.

“En la lucha por los Derechos Humanos, que nos incorporan con fuerza el derecho del niño a la música sublime, en cuyo seno brilla Existencia en su esplendor y su misterio inefable. Vamos a mostrar a nuestros hijos la belleza de la música y la música revelará a nuestros hijos la belleza de la vida” – https://tipom.wordpress.com/

“La cultura para los pobres no puede ser una pobre cultura” – https://web.archive.org/web/20080411060900/http://encontrarte.aporrea.org/creadores/musica/82/a14496.html/

“Dejó un conjunto de ideas y donde él se encuentre y los muchachos (…) yo, presidente voy a ser leal a la obra del maestro Abreu para la expansión del proyecto” – http://minci.gob.ve/2018/03/maduro-voy-a-ser-leal-a-la-obra-del-maestro-abreu/

Respeito global e sem fronteiras por um homem de vanguarda na luta tão sensível por uma cultura popular e universal…

Todos nós, cidadãos do mundo, temos uma dívida em relação a ele, pois a quem nos ensina um caminho tão vasto e prodigioso, a memória não chega, a sensibilidade não chega, o amor não chega: é a Terra por inteiro que estremece nessa intemporal emoção!

Viva a Revolução Socialista e Bolivariana e seus heróis de vanguarda, com os assumidos atributos de civilização em pleno século XXI!

Martinho Júnior – Luanda, 27 de Março de 2018

AS NOVAS DITADURAS LATINO-AMERICANAS

Posted: 28 Mar 2018 04:46 AM PDT

Nenhum desses regimes resultou de golpes de estado militares, ainda que os casos de Brasil, Honduras e Paraguai tenham surgido através de novos tipos de golpe de Estado, baseados em paródias constitucionais protagonizadas pelos respectivos poderes legislativos – e, quando necessário, em combinação com os poderes judiciário e midiático

Jorge Beinstein*

A ascensão do autoritarismo

A radicalização reacionária dos governos de países como Paraguai, Argentina, Brasil, México ou Honduras começa a gerar polêmica em torno de sua caracterização.

Nenhum desses regimes resultou de golpes de estado militares, ainda que os casos de Brasil, Honduras e Paraguai tenham surgido através de novos tipos de golpe de Estado, baseados em paródias constitucionais protagonizadas pelos respectivos poderes legislativos – e, quando necessário, em combinação com os poderes judiciário e midiático. No Brasil, a Presidência passou a ser exercida pelo outrora vice-presidente Michel Temer (alçado por um golpe parlamentar), cujo nível de aceitação popular, segundo diversas pesquisas, não vai além dos 3 % da cidadania. No Paraguai ocorreu algo semelhante: o presidente foi derrubado pelo Congresso e substituído por um vice que trabalhou, nas eleições seguintes para a posterior vitória eleitoral de Horacio Cartes, um dos principais arquitetos do golpe e figura de ultradireita claramente vinculada ao narcotráfico.

Em Honduras realizou-se eleições presidenciais em novembro de 2017, na que a “Aliança de Oposição contra a Ditadura” venceu claramente. Contudo, o governo mostrou que o rótulo lhe cai bem e consumou uma das fraudes mais escandalosas que o continente já viu, para decretar a continuidade do ditador Juan Orlando Hernandez.

O caso da Argentina talvez seja o mais curioso. As eleições presidenciais aconteceram em 2015, em meio a uma avalanche midiática, econômica e judicial sem precedentes contra o governo e favorável ao candidato direitista Mauricio Macri. O resultado foi a vitória de Macri por uma pequena margem. Assim que assumiu o cargo, o novo presidente avançou sobre os demais poderes do Estado, e criando um cenário de grande concentração de poder, ao qual se deve reconhecer também a evidente cumplicidade dos meios de comunicação e o apoio do poder econômico, que o leva a ter uma capacidade de controle própria de uma ditadura. Para completar o panorama, o comportamento cada vez más repressivo do governo argentino, que, pela primeira vez desde o fim da ditadura militar, em 1983, decretou a intervenção das Forças Armadas em um conflito interno, através de uma recém constituída “força militar de ação rápida”, integrada por soldados do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, além da conformação de uma força operativa conjunta com a DEA (sigla em inglês da Agência Antinarcóticos dos Estados Unidos), utilizando a justificativa da “luta contra o narcotráfico e o terrorismo” . Desse modo, a Argentina se incorpora a uma tendência regional imposta pelos Estados Unidos, de reconversão convergente das Forças Armadas convencionais, polícias e outras estruturas de segurança em policias-militares capazes de “controlar” as populações desses países. Não seguindo o velho estilo conservador de quarteladas, inspirado na “doutrina de segurança nacional”, mas sim estabelecendo espaços sociais caóticos imersos no desastre, precisamente atravessados pelo narcotráfico (promovido e manipulado pelo andar de cima) e outras formas de criminalidade dissociadora, agora baseadas na doutrina da Guerra de Quarta Geração.

No México, como sabemos, se sucedem governos fraudulentos imersos numa crescente onda de barbárie, enquanto a Colômbia convive com uma abstenção eleitoral tradicionalmente majoritária, que chegou recentemente a cerca de dois terços do padrão eleitoral – um panorama adornado pelo muito elogiado Processo de Paz, que levou à rendição das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, agora transformadas em partido político), mas que não mudou a dinâmica de assassinatos políticos e concentração de renda no país. Nestes dois casos, não nos encontramos diante de algo “novo”, mas sim de regimes relativamente velhos que foram evoluindo até chegar hoje a constituir verdadeiros exemplos bem sucedidos da aplicação das técnicas mais avançadas de desintegração social. A tragédia desses países mostra aos que recém chegaram ao inferno o que o futuro lhes reserva.

O panorama fica completo com as tentativas de restauração reacionária na Bolívia e na Venezuela. No caso venezuelano, a intervenção direta dos Estados Unidos busca recuperar (recolonizar) a maior reserva petroleira do mundo no momento em que o reinado do petrodólar (fundamento da hegemonia financeira global do Império) entra em declínio rapidamente, devido à ascensão da China, o maior comprador internacional de petróleo, que busca impor sua própria moeda, respaldada pelo ouro (o petro-yuan-ouro), em aliança precisamente com a Venezuela e outros gigantes do setor energético, como Rússia e Irã.

Na Bolívia, o aparato de inteligência imperial realiza uma de suas conhecidas missões de manipulação, inspirada na doutrina da Guerra de Quarta Geração. Coloca em ação seus apêndices midiáticos locais e globais, tentando criar histeria (neste caso racista) de setores importantes das classes médias brancas e mestiças contra p presidente indígena. Não se trata somente de varrer um governo progressista do mapa, como também de se apropriar das reservas de lítio, as maiores do mundo (segundo diferentes prospecções, a Bolívia contaria com aproximadamente 50 % das reservas de lítio do planeta), peça fundamental na futura reconversão energética global.

Principais características

As atuais ditaduras têm novas características: tentam apresentar uma imagem mais “civil”, com aparente respeito aos ritos constitucionais, mantendo um calendário eleitoral com pluralidade de partidos e outras qualidades de um regime democrático de acordo às regras ocidentais. Por outra parte, não nos encontramos diante de mecanismos explícitos de censura, e se escutam algumas vozes divergentes podem atuar, ainda que marginalmente. Os prisioneiros políticos passam quase sempre por julgamentos onde os juízes os condenam de forma arbitrária, mas aparentando conformidade com as normas legais vigentes. Os assassinatos de opositores são minimizados ou ocultados pelos meios de comunicação, cuja narrativa busca alimentar a confusão onde se diluem as culpas estatais, amalgamando de forma sistemática os crimes políticos e as violências policiais contra pobres, pequenos delinquentes sociais e repressões aos protestos populares

Essa máscara democrática, organizadamente caótica, termina sendo o que realmente é: uma máscara. Para entender isso, basta constatar que os meios de comunicação, transformados em instrumentos de manipulação total da população, estão controlados por monopólios como o grupo Clarín na Argentina, as Organizações Globo no Brasil ou a empresa Televisa no México, cujos proprietários formam parte do estreito círculo do poder. Ou concluir que o sistema judiciário está completamente controlado por esse círculo do qual participam os principais interesses econômicos (multinacionais) discretamente custodiados pelo aparato policial-militar. Os partidos políticos significativos, os meios de comunicação, as grandes estruturas sindicais e outros espaços de potencial expressão da sociedade civil estão estrategicamente controlados (apesar de certos descontroles táticos) a partir de um bem montado mecanismo de repressão, chantagem, crimes seletivos, abusos judiciais, bombardeios midiáticos avassaladores e dissociadores (ou disciplinadores), fraude eleitoral mais ou menos descarada (segundo o problema concreto a resolver), etc.

O novo panorama provocou uma notável crise de percepção, onde a realidade choca com princípios ideológicos, conceptualizações e outras componentes de um “sentido comum” herdado do passado. Não somos vítimas de um rígido enquadramento da população com pretensões totalitárias explícitas na anulação de toda possibilidade de dissenso, buscando integrar o conjunto da sociedade a um simples esquema militar, senão de sistemas flexíveis, emaranhados que não tentam disciplinar a todos e sim desarticular, degradar a sociedade civil tornando-a uma vítima inofensiva, atordoada pela tragédia.

As novas ditaduras não representam projetos nacionais exagerados, próprios dos militares “salvadores da pátria” de outros tempos, ou imagens sinistras como a de Pinochet, tampouco discursos hiperotimistas como o dos globalizadores neoliberais dos Anos 90, ou personagens cômicos como Carlos Menem. Agora é a vez dos presidentes sem carisma, geralmente torpes, chatos, repetidores de frases banais preparadas por assessores de imagem, e que conformam uma rede regional globalizada de “formadores de opinião” made in USA.

Em suma, as ditaduras blindadas e triunfalistas do passado parecem ter sido substituídas pelas protoditaduras cinzentas, que oferecem pouco ou nada à população, protegidas pelo rolo compressor midiático. Por trás (ou, na verdade, por cima) desses fenômenos sempre está o aparato de inteligência dos Estados Unidos e os de alguns dos seus aliados. A CIA (sigla em inglês do principal serviço de Inteligência dos Estados Unidos), a já mencionada DEA, o MOSSAD (serviço de Inteligência israelense), o MI6 (serviço secreto do Reino Unido), dependendo de cada caso, são os que manipulam os ministérios de Segurança, ou de Defesa, ou de Relações Exteriores, as grandes estruturas policiais desses regimes vassalos, e também desenham estratégias eleitorais fraudulentas e táticas de repressão pontuais.

Capitalismo de desintegração

São forjadas assim as complexas articulações dos sistemas de dominação que convertem as elites locais (midiáticas, políticas, empresariais, policial-militares, etc) em aparatos externos integrantes do sistema de poder dos Estados Unidos.

Estas forças dominam sociedades marcadas pelo que poderia ser qualificado como “capitalismo de desintegração”, baseado no saque dos recursos naturais, na especulação financeira, na crescente marginalização da população, e tudo isso de uma forma radicalmente diferente dos velhos capitalismos subdesenvolvidos estruturados a partir das atividades produtivas (agrárias, mineiras, industriais). Não se trata de desconhecer que o velho sistema também estimulava o saque de recursos, ou o banditismo financeiro, embora este segundo tema, ainda que ocupasse espaços no centro do cenário político em alguns países, geralmente era deixado em segundo plano. Não se pode negar, portanto, que a mega exploração da mão de obra e a concentração dos lucros também estavam entre os principais objetivos econômicos diretos daquelas ditaduras.

Tampouco se pode afirmar que as elites dominantes de agora não se interessam pela questão dos salários ou da propriedade da terra. Pelo contrário: desenvolvem um amplo leque de estratagemas destinados a reduzir os salários reais e ocupar territórios. Nos velhos capitalismos, não havia somente produção, mas também especulação e saque. Já o sistema atual tem a base produtiva em retração, devido à pilhagem de desmedida, como uma importantíssima fonte de benefícios. Entretanto, sua preservação e sua reprodução em longo prazo não está no centro das preocupações cotidianas das elites capturadas psicologicamente pela dinâmica parasitária da especulação financeira e seus negócios turvos. Entre outras coisas, porque no atual imaginário burguês já não há espaço para o longo prazo. Suas operações mais importantes estão regidas pelo curto prazo lumpecapitalista. O saque de recursos naturais através da mega mineração a céu aberto, da extração de gás e petróleo de xisto ou da agricultura baseada em transgênicos, todas essas atividades utilizam tecnologias orientadas pela velocidade do ritmo financeiro a serviço de gente que não tem tempo nem vontade de se dedicar a temas como a saúde da população afetada, o equilíbrio ambiental e outras áreas impactadas pelos “danos colaterais” do sucesso empresarial (financeirização do avanço tecnológico, a cultura técnica dominante como auxiliar da pilhagem).

Estes capitalismos de desintegração são conduzidos por elites que podem ser caracterizadas como lumpenburguesias, ou burguesias meramente parasitárias, transnacionalizadas, financeirizadas, oscilando entre o legal e o ilegal, crescentemente dissociadas da produção. São instáveis, não por acidentes da conjuntura, mas sim por sua essência decadente. Por cima delas se encontram as grandes potências e suas elites, embarcadas há tempos no caminho da degradação, num planeta onde os produtos financeiros derivados representavam sete vezes o Produto Interno Global (no fim de 2017), onde somente cinco grandes bancos estadunidenses dispõem de “ativos financeiros derivados” equivalentes a 250 trilhões de dólares (treze vezes o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos), o que significa dizer que a soma da riqueza das oito pessoas mais ricas do mundo é equivalente ao de 50 % da população mundial (os mais pobres).

A formação e incubação dessas elites latino-americanas são o resultado de prolongados processos de decadência estrutural e cultural, de um subdesenvolvimento que incluiu, já há várias décadas, componentes parasitários que se foram se apropriando do sistema, dilapidando, envenenando, apodrecendo, seguindo a lógica determinante do capitalismo global, não de forma mecânica, mas sim impondo especificidades nacionais próprias de cada degeneração social.

Por baixo dessas elites estão as populações fragmentadas, com trabalhadores que estão integrados às normas trabalhistas vigentes estando cada vez mais distanciados trabalhadores informais, precários. Com massas crescentes de marginais urbanos, de pobres e indigentes estigmatizados pelos meios de comunicação, desprezados por boa parte das classes integradas, que vão ficando cada vez menores, à medida em que avançam os processos de concentração econômica e pilhagem das riquezas.

Não se trata, portanto de espaços sociais estancados, segmentados de maneira estável, e sim de sociedades submetidas à reprodução ampliada da rapinagem elitista transnacionalizada, ao processo interminável de transferências de renda dos de baixo para os de cima, e para o exterior, a degradação ascendente da qualidade de vida das classes baixas, mas também de porções crescentes das classes médias.

Alguns autores se referem ao fenômeno qualificando-o de “neoliberalismo tardio”, algo assim como um regresso aos paradigmas ideológicos neoliberais que tiveram seu auge nos Anos 90, mas num contexto global desfavorável a este retorno (ascensão do protecionismo comercial, declínio da hegemonia dos Estados Unidos, etc). Nos encontraríamos então diante de uma aberração histórica, um contrassenso econômico e geopolítico protagonizado por círculos dirigentes obcecados por sua subordinação ao Império norte-americano, interrompendo a marcha normal, racional, progressista e despolarizante que predominava na América Latina durante a década passada. As direitas latino-americanas se encontrariam embarcadas num projeto que vai na contramão da evolução do mundo.

Porém, o mundo não se encaminha na direção de uma nova harmonia, um novo ciclo produtivo, e sim de um aprofundamento de uma crise de longa duração, iniciada há quase meio século. A mesma se caracteriza, entre outras coisas, por uma tendência de queda das taxas de crescimento das economias capitalistas centrais tradicionais e a hipertrofia financeira (financeirização da economia global) impulsando a quebra de normas, legitimidades institucionais e equilíbrios socioculturais que asseguravam a reprodução da civilização burguesa apesar das turbulências políticas ou econômicas. A mutação parasitária-predadora do capitalismo tem em seu centro o Ocidente, articulado em torno do Império norte-americano, e envolvendo também o conjunto da periferia, afetando também as potências como China e Rússia, muito dependentes de suas exportações, para as quais os mercados da Europa, dos Estados Unidos e do Japão são essenciais. É assim que a taxas de crescimento do Produto Interno Bruto da China passaram a uma tendência de desaceleração, e a economia russa se encontra oscilando entre a recessão, a paralisia e o crescimento anêmico.

Um aspecto essencial da nova situação global é o carácter abertamente devastador das dinâmicas agrárias, mineiras e industriais motorizadas tanto pelas potências tradicionais como pelas emergentes, cujos efeitos deixam de ser uma possível ameaça futura para se transformar num desastre presente que se amplifica ao após ano, e já se tornou tragédia iminente.

Tudo isso deveria nos levar à conclusão de que os regimes reacionários da América Latina não têm nada de tardio, de desatualizado, de historicamente fora de lugar, senão que são a expressão da podridão radical de suas elites, de sua mutação parasitária enlaçada com um fenômeno global que as inclui. O que nos permite descobrir não só a fragilidade histórica, a instabilidade dessas burguesias, tão prepotentes (e vorazes) quanto doentes, além das vãs ilusões progressistas negadoras da realidade, que ao qualificar de tardio o lumpencapitalismo dominante, o aceitam como algo anormal, anômalo, a alimentando a esperança do retorno à “normalidade” de um novo ciclo de prosperidade na região, mais ou menos keynesiano, mais ou menos produtivo, mais ou menos democrático, mais ou menos razoável, nem muito à direita nem muito à esquerda, nem tão elitista nem tão populista. O sujeito burguês desse horizonte burguês fantasioso é um produto da imaginação, a marcha real do mundo o transformou num habitante fantasmagórico da memória. Enquanto isso, os grandes “empresários”, os círculos concretos de poder, se entregam de corpo e alma à orgia da devastação, desinteressados pelo longo prazo e o desastre social e ambiental que geram, indiferentes à racionalidade progressista (considerada um estorvo, uma trava populista ao livre funcionamento do “mercado”).

Reações populares e aprofundamento da crise

A grande incógnita é a que se refere ao futuro comportamento das grandes maiorias populares que foram afetadas, tanto do ponto de vista econômico como do cultural, pela decadência do sistema. As elites aproveitaram a desestruturação, as irracionalidades sociais geradas por um fenômeno perverso que atravessou tanto as etapas direitistas quanto as progressistas. Durante os períodos dos governos de direita, liderados por civis ou militares, foram promovidos e garantidos privilégios e abusos de todo tipo, afirmando um “sentido comum“ egoísta, dissociador, que subestimou as identidades culturais solidarias. Mas quando chegaram as experiências progressistas, essas elites utilizaram a degradação social existente, a fragmentação neoliberal que herdaram (enlaçada, em alguns casos, com tradições de marginação muito enraizadas), para impulsar irrupções racistas e neofascistas das classes médias, e às vezes atingindo também os extratos médio-baixos, onde se encontram os pequenos comerciantes e o assalariado integrado (que se sente por cima do assalariado marginado, do precarizado).

Assim, vimos como no Brasil, na Argentina, na Bolívia e na Venezuela como se organizaram mobilizações histéricas de classes médias urbanas neofascistas exigindo as cabeças dos governantes “populistas”. Grupos manipulados pelos meios de comunicação e pelos poderes econômicos que o progressismo havia respeitado, como se isso fosse a condição para pertencer ao sistema (o que depois seria admitido abertamente, silenciado ou negada de forma superficial ou insuficiente).

Agora, as chamadas restaurações conservadoras ou direitistas não estão restaurando o passado neoliberal, e sim instaurando esquemas de devastação nunca antes vistos. Puderam triunfar graças às limitações e covardias de progressismos encurralados pelas crises do sistema que eles pretendiam melhorar, reformar ou, em alguns casos, superar de forma indolor, gradual, “civilizada”.

Mas as crises nacionais não se interrompem, pelo contrário são incentivadas pelos comportamentos saqueadores das direitas governantes, que insistem nas táticas dissociadoras, na confusão coletiva, buscando gerar o ódio social aos pobres. Os meios de comunicação trabalham a pleno vapor atrás de esses objetivos, e como a queda da economia avança empurrada pelas políticas oficiais e pela marcha da crise global, as manipulações midiáticas começam a mostrar-se impotentes diante da maré ascendente de protestos populares. A virtualidade do marketing neofascista começa a ser derrotada pela materialidade das penúrias não só dos pobres como também da classe média, que passa a sofrer com o empobrecimento. Males materiais que, ao se amplificarem, abrem a porta para a rebeldia daqueles que nunca foram enganados e dos que agora se sentem traídos. É assim no Brasil, onde o repúdio popular ao governo de Temer é assombroso, ou na Argentina, onde a imagem que a mídia construiu para Macri começa a se diluir, à medida em que aumentam as demonstrações de insatisfação da cidadania.

A repressão, a militarização dos governos de direita aparece então como alternativa de governabilidade, as dinâmicas ditatoriais desses regimes vão engendrando dispositivos policiais e militares com a esperança de controlar os de baixo, as máquinas de “cooperação hemisférica” vão funcionando com cada vez maior intensidade: operações conjuntas com a DEA, fornecimento de armamento e capacitação para o controle de protestos sociais, multiplicação de estruturas repressivas nacionais e regionais monitoradas pelos Estados Unidos.

Se trata de um combate com final aberto entre forças sociais que buscam sobreviver, e que, ao fazê-lo, podem chegar a engendrar vastos movimentos de regeneração nacional, radicalmente antissistema, e elites degradadas e instáveis, dependentes do amo imperial (que reserva a si o direito de intervenção direta, se as circunstâncias o requerem e permitem), estimuladas por um niilismo portador de pulsões tanáticas.

*CARTA MAIOR | Créditos da foto: Enrique Marcarian/Reuters

A Carta Maior, foi fundada em 2001. Era o início da rede mundial de computadores no Brasil. O Facebook foi lançado em 2004, o YouTube em 2005 e o Twitter, em 2006. No dia 28 de janeiro passado, completamos 17 anos. O GOLPE de 2016, nos atingiu violentamente, quase nos levando ao desaparecimento. Porém, nossos leitores não permitiram que isso ocorresse e nos trouxeram até aqui. Agora precisamos de todos. Se você valoriza o que obtém da Carta Maior, junte-se a nós com uma doação, para que possamos continuar fazendo o tipo de jornalismo que 2018 exige.

Facebook e extrema direita: somos cúmplices?

Posted: 28 Mar 2018 04:08 AM PDT

Empresas privadas invadem nossa privacidade para manipular nossas escolhas políticas. Ainda assim, permanecemos em tal rede. Por quê? Até quando?

Eduardo Febbro | Outras Palavras | Tradução: Inês Castilho

A crise da maior rede social do planeta é um ato de justiça que a humanidade merece. O oportunismo delirante dos responsáveis pelo Facebook, o revitalizado projeto político da direita radical e a cumplicidade alucinante dos usuários configuraram um dos roubos e violações mais desastrosas da história. O Facebook e as outras empresas do ramo roubaram uma ideia maravilhosa — a internet – com o único objetivo de ampliar a dominação liberal do mundo.

O Ocidente cresceu juntamente com a colonização e agora as redes modernas reinventaram uma nova forma: já não se trata mais de colonizar um território, porque a rede é o território diante do qual o liberalismo estendeu a nova colonização. O Vale do Silício é um sistema ditatorial fechado, e não um paraíso de onde saem os conceitos de uma humanidade renovada. Os algoritmos do Facebook têm dois fins: formatar, censurar, manipular, dirigir, expandir-se e fazer dinheiro. Pouco importam a Mark Zuckerberg nossas alegrias, nossos prantos e nossos segredos: só o move a fome de ver suas ações subir e subir. Na rede, nossas vidas são moedas que se acumulam e não perfis de uma humanidade que compartilha suas paixões e relacionamentos.

A passividade dos usuários diante das contínuas revelações sobre a quebra maciça da intimidade, e a monetização de seus dados pessoais; a inoperância dos sistemas jurídicos de mastodontes autocomplacentes como a União Europeia; a incapacidade ou a indolência diante do desafio de criar redes saudáveis e alternativas; a debilidade dos Estados do Sul e o atraso das esquerdas quando se trata de refletir sobre as novas tecnologias e os desafios que elas introduzem para a liberdade humana e na reformulação do modelo social; a fascinação diante do brinquedo tecnológico e o projeto da direita planetária misturaram-se numa dança mortal.

Na crise do Facebook combinam-se todos os ingredientes que demonstram sua pusilanimidade e sua indiferença diante de quem foi o arquiteto de sua riqueza – ou seja, os usuários. As revelações que o ex-agente da NSA (Agência Nacional de Segurança) Edward Snowden difundiu em 2013 no jornal The Guardian já haviam provado até a saturação a conivência do Google, Apple, Facebook, Yahoo ou Microsoft com os serviços de inteligência ou os setores privados que fazem dinheiro com os dados pessoais ou promovem ideologias retrógradas. Tudo terminou num grande silêncio que o novo escândalo tira das catacumbas da indiferença. O caso é de uma gravidade destruidora: trata-se nada mais nada menos de empresas privadas que usaram os dados de 50 milhões de usuários do Facebook para manipular politicamente os cidadãos. A direita mais envelhecida venceu os progressistas das tecnologias e os poetas das ideologias.

Nos Estados Unidos, a consultora Cambridge Analytica obteve e serviu-se de dados como arma de influência na campanha eleitoral de Donald Trump. Na Grã Bretanha, a filial da Cambridge Analytica, a Strategic Communication Laboratories (SCL), especializada nas competentes “estratégias de influência” destinadas a órgãos governamentais e setores militares, teve o mesmo procedimento. Apoiou-se em dados para virar o prognóstico do referedo sobre a permanência do país na União Europeia, em favor do “Leave” – ou seja, o já conhecido Brexit. Se olhamos bem as coisas, o Facebook e o Big Data comandam a reconfiguração da política mundial, marcada nos últimos dois anos pelo Brexit e pela eleição do Trump.

A ultradireita nada de braçada. A Cambridge Analytics usa a massa dos Big Data para confeccionar um repertório de mensagens e memes de muito alcance. Em 2014, o pesquisador Aleksandr Kogan (Cambridge) teve a ideia de criar um teste de personalidade a que responderam quase 300 mil usuários do Facebook. Esses dados e todos os “links” que vão com eles foram remetidos por Kogan à Cambridge Analytica. Esta empresa desempenhou um papel igualmente preponderante nas eleições no Quênia e nas primárias do Partido Republicano, nos Estados Unidos, a favor de Ted Cruz. E se ainda há inocentes que continuam a fechar os olhos diante da vitória esmagadora da direita mundial com a ponte das novas tecnologias, bastaria acrescentar que o principal acionista da Cambrige Analytica não é senão Robert Mercer, um multimilionário de perfil muito baixo que é, também, acionista do portal de extrema direita Breitbart News. E ainda mais: no conselho administrativo da Cambridge Analytica aparece outro destacado ultradireitista: Steve Bannon, o novo ídolo dos populistas de direita e ex-diretor da campanha eleitoral de Trump.

Os apóstolos do racismo da xenofobia, da identidade nacional como declaração de guerra, da soberania excludente, da censura, do fechamento das fronteiras e da guerra comercial escorregaram nas infinitas telas da tecnologia para nos oferecer o pesadelo do Brexit, de Trump, da violência contra o outro e das visões mais atrasadas e tóxicas que a humanidade pode desenhar desde o princípio do século XX. A direita obteve uma brilhante vitória apocalíptica graças, também, não só ao Facebook e seus aliados, mas também a nossa preguiça quando se trata de introduzir em nossa análise de utilização das tecnologias a variável política. Agimos como crianças com um presente de Natal enquanto o monstruoso Papai Noel conquistava e manipulava nossa inocência.

O Facebook deu provas de sobra a respeito de sua imobilidade, negligência ou cumplicidade. Os algoritmos do Facebook têm uma repercussão perversa e expõem a pertinência da relação entre democracia e rede social. As redes nos vendem e traçam uma espécie de relação que promove compromissos cujos resultados são logo reutilizados por outros setores na sempre reatualizada cruzada colonizadora da consciência humana. Rob Sherman, chefe adjunto do departamento de Privacidade do Facebook, disse que a empresa se compromete “fortemente com a proteção dos dados dos usuários”. Uma brincadeira retórica de mau gosto. Prova disso é que o Facebook não era inocente: há três anos ele “percebeu” o roubo dos dados da Cambridge Analytica … mas até 17 de março não havia fechado a conta da empresa.

Não cabe a mais remota dúvida de que na Argentina [e no Brasil] o Facebook serviu e serve com os mesmos objetivos ao liberalismo governante. O primeiro ato de resistência moral e política de um progressista digno do século XXI consistiria em fechar imediatamente sua conta nesta rede. Isso, sem dúvida, parece ser mais árduo do que forçar seus diretores a serem mais responsáveis. Estamos diante de uma aliança liberal ultraconservadora acordada entre setores políticos e empresas tecnológicas. É uma guerra ideológica sem bombas e devemos deixar de ser os cordeiros inocentes que contribuem com as vitórias de seus carrascos.

À BEIRA DA GUERRA NUCLEAR

Posted: 27 Mar 2018 10:19 PM PDT

Paul Craig Roberts

É de se perguntar se a última acção contra a Rússia, extremamente provocadora e hostil, apoiada pelo império de Washington, será o prelúdio para a guerra. Não há base de espécie alguma para a declaração do Departamento de Estado dos EUA de que “em 4 de Março a Rússia utilizou um agente de nervos de grau militar para tentar assassinar um cidadão britânico e a sua filha em Salisbury”. www.zerohedge.com/…

Considerando o facto de que nenhuma prova foi apresentada de que qualquer agente de nervos estivesse envolvido, nenhuma prova de que esse agente fosse russo e nenhuma prova de que a Rússia – ou o próprio Putin, segundo o enlouquecido secretário britânico do Exterior – tivesse alguma responsabilidade, tal acusação é a mais precipitada e irresponsável que se possa imaginar.

Se os russos agora não perceberem que os únicos termos em que são aceitáveis para o ocidente são como um estado vassalo, eles estarão para além de toda esperança e serão destruídos. Se os atlantistas integracionistas russos continuarem a paralisar o seu governo, a Rússia está liquidada. Não há maior ameaça à Rússia do que os seus próprios atlantistas integracionistas.

Qual será a próxima orquestração de Washington através de um dos seus estados vassalos, tais como a “Grã”-Bretanha? Pode isto ficar ainda pior? Se o governo russo for realista, terá de aguardar a vinda de um ataque nuclear com ICBMs. Não há outra razão para a longa colecção de falsas acusações contra a Rússia senão preparar para a guerra os indiferentes povos ocidentais. Se o governo russo não perceber que Washington está a levar a guerra à Rússia, o governo russo estará a por em perigo a sobrevivência do seu país.

Se o governo russo continuar a acreditar que “a porta para o diálogo está aberta”, está irremediavelmente iludido.

O povo indiferente do ocidente, preocupado com coisas inconsequentes, senta-se na sua estupidez enquanto os seus políticos corruptos lhes contam mentiras. As populações do ocidente estão tão estupidificadas que não têm noção das consequências das mentiras com que são alimentadas.

26/Março/2018

Ver também:
 Doomsday Clock Animation

O original encontra-se em www.paulcraigroberts.org/2018/03/26/verge-nuclear-war/

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/

PORTUGAL | Foi você que pediu um hospital?

Posted: 27 Mar 2018 10:00 PM PDT
Pedro Ivo Carvalho | Jornal de Notícias | opinião

A cadência com que as notícias são apresentadas pode induzir-nos a estabelecer relações de proximidade entre os factos que, noutras circunstâncias, não seriam tão claras. Aconteceu assim: “Bastonário dos médicos fala em cenário de guerra no Hospital de Gaia”. E depois: “Ajudas à Banca já custaram mais de 17 mil milhões de euros”. Admito que a tensão dramática atingia um patamar olímpico se a estas revelações se seguisse, por exemplo, isto: “Mário Centeno volta a lembrar que alcançou o défice mais baixo da democracia”. Mas vamos deter-nos nos dois primeiros títulos, que são de uma enorme utilidade porque permitem ser comparados no tempo.

Há dez anos, data a partir da qual os portugueses se iniciaram nesse desporto não federado chamado “vamos salvar a Banca com os nossos impostos”, o mesmo Hospital de Gaia que hoje vive um cenário de guerra, nas palavras duras do bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, já parecia o “set” improvisado de um filme de Spielberg sobre o conflito armado na ex-Jugoslávia. Tudo, aliás, piorou desde 2007, ano em que, com o encerramento das urgências de Espinho, os utentes daquele concelho passaram a recorrer ao já saturado centro hospitalar vizinho.

Uma década volvida, continuamos a resgatar bancos (o mais recente foi a Caixa Geral de Depósitos, com uma injeção de capital de 3,9 mil milhões de euros, à qual o Governo prefere chamar investimento) e o mesmíssimo Hospital de Gaia não abandonou os cuidados intensivos. Na verdade, já faltou mais para alguém poder dizer: “Ainda sou do tempo em que prometeram pela primeira vez um novo hospital para Gaia”. Aliás, se houvesse um campeonato de compromissos não assumidos pelos sucessivos governos, a construção de uma unidade hospitalar que sirva de uma forma digna mais de 300 mil pessoas figuraria seguramente no top cinco.

Tem razão, por isso, Miguel Guimarães quando diz que as condições deploráveis deste hospital merecem ter um destaque diário. Haver duas casas de banho (“não inteiramente funcionais”) numa enfermaria com 36 doentes, 22 pacientes internados em macas quando 19 camas de internamento estão fechadas, cirurgias adiadas e equipamentos fora do prazo é do Terceiro Mundo. Envergonha-nos.

Mas Gaia não é, infelizmente, uma vergonha isolada. As queixas sobre a galopante degradação dos serviços públicos de saúde sucedem-se, à mesma velocidade das cativações e das boas novas sobre o desempenho da economia e do défice. E tudo tende a piorar. Ora, talvez tenha chegado a hora de – à imagem do que fez com os demonizados colégios privados – o Governo começar a pensar em fechar a torneira do financiamento público aos hospitais privados, aos quais paga 51% dos gastos. Temo, porém, que seja mais fácil construírem primeiro um novo hospital em Gaia.

  • Subdiretor do JN

Ler em Página Global:
PORTUGAL | Rui Rio quer cortes nos serviços públicos em 2018

Portugal | VILANAGEM DO ENSINO PRIVADO NÃO SE FARTA

Posted: 27 Mar 2018 09:58 PM PDT

MP acusa administradores de colégios de desvio de milhões para carros, cruzeiros, jantares e champanhe

Ministério Público acusa cinco administradores do grupo GPS de se terem apoderado de 30 milhões que receberam do Estado para os seus colégios. Ex-secretário de Estado José Manuel Canavarro e o antigo diretor regional de Educação José Almeida, os decisores que abriram a porta à celebração de novos contratos de associação com este grupo, estão indiciados por corrupção passiva

ntre 2005 e 2013, cinco administradores do grupo GPS, detentor de vários colégios financiados pelo Estado ao abrigo de contratos de associação, “usaram verbas provenientes do erário público e destinadas à ministração do ensino para custear despesas pessoais de que beneficiaram, adquirir bens e serviços em proveito próprio, quer apresentando à GPS-SGPS as respetivas faturas para pagamento, quer determinando o pagamento de serviços a favor de empresas criadas em seu nome, sem que tais serviços tenham sido prestados, justificando assim transferências de montantes para as suas esferas patrimoniais pessoais”.

Este é apenas um dos parágrafos do despacho de acusação que, ao longo de 268 páginas, descreve, segundo a versão do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, como estes administradores, incluindo o presidente do grupo GPS e ex-deputado socialista António Calvete, se “apoderaram de uma quantia que ronda, pelo menos, os 30 milhões de euros, dos cerca de 300 milhões que receberam do Estado ao abrigo de contratos de associação”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

Expresso

Foto: Colégio Rainha Dona Leonor, nas Caldas da Rainha, foi um dos últimos a garantir financiamento do Estado ao abrigo dos contratos de associação. Integra o grupo GPS / Nuno Fox

*Título PG

NO RASTO DOS EUA/RU | Embaixador português em Moscovo chamado a Lisboa

Posted: 27 Mar 2018 09:45 PM PDT

Em entrevista à RTP e à SIC Notícias, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, explicou que Portugal “usa da prudência” no plano bilateral de forma a “defender os interesses nacionais”. Questionado sobre esses interesses, limitou-se a afirmar que este é um assunto em que o país é soberano e lembrou a “lógica de não confrontação que caracteriza há muito” a política externa portuguesa

O ministro dos Negócios Estrangeiros revelou esta terça-feira que o embaixador português na capital russa foi chamado a Lisboa para consultas.

Em entrevista à RTP, Augusto Santos Silva negou que Portugal se tenha excluído da ação conjunta de expulsar diplomatas russos e lembrou que o país é membro da NATO, tendo apoiado a proposta do secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, que anunciou esta terça-feira a intenção de expulsar sete diplomatas da missão da Rússia junto daquela organização.

Já na entrevista feita pela SIC Notícias, o ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou que “a expulsão de diplomatas russos é a reação mais dura que se pode tomar” e que Portugal tomou uma decisão que “não prejudica em nada a solidariedade para com o Reino Unido e a NATO”. No entanto, considera que o país preserva um elemento substantivo “essencial” que passa pela capacidade de falar com “toda a gente do mundo como uma nação global”.

À semelhança do que afirmou esta terça-feira em entrevista à Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros explicou à RTP que Portugal “usa da prudência” no plano bilateral de forma a “defender os interesses nacionais”. Questionado sobre que interesses são esses, Augusto Santos Silva limitou-se a afirmar que este é um assunto em que o país é soberano, lembrando a “lógica de não confrontação que caracteriza há muito” a política externa portuguesa.

À SIC Notícias, Augusto Santos Silva garantiu que os aliados europeus sabem desta lógica: “Os nossos aliados sabem que temos uma atitude não confrontacional, que apostamos no diálogo diplomático e que não queremos começar pelos extremos, que é a reação mais dura. Eles sabem, acima de tudo, que esta atitude os ajuda. Respeitamo-nos a todos – nós respeitamos as decisões que eles tomam e eles respeitam a posição que tomamos”. Afirmou ainda que há países que “entendem que uma das reações passa por expulsar dezenas de diplomatas; outros que pensam que passa por expulsar um ou dois; outros que pensam que passa por chamar para consulta o embaixador. Portugal respeita todas estas formas de reação, tal como os outros países respeitam a nossa decisão de agir com cautela e prudência”.

E se Portugal decidir expulsar diplomatas, como será feita a escolha? Augusto Santos Silva explicou que não pode divulgar informações que estão em segredo de Estado mas, em abstrato, um dos critérios habituais passa por identificar nas pessoas acreditadas como diplomatas as que estão mais ligadas aos serviços de informação do que à diplomacia. À questão sobre a existência de espiões russos em Portugal, recusou-se a responder.

E será possível Portugal alterar a posição que tomou? “É um elemento dinâmico que temos de ir acompanhando. Revejo-me inteiramente na posição da NATO e teremos uma reunião de concertação para vermos como é que isto evolui. Esperemos que haja razoabilidade do lado da Federação russa, porque é desse lado que as explicações têm de vir”, adiantou.

São já mais de 20 os países que expulsaram diplomatas russos do seu território, em solidariedade para com o Reino Unido no caso do envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal. Destes, 16 pertencem à União Europeia.

Helena Bento | Soraia Pires | Expresso | Foto: António Cotrim
You are subscribed to email updates from PÁGINA GLOBAL .
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. Email delivery powered by Google
Google, 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, CA 94043, United States

Please follow and like us:
error

Publicado por

chrys chrystello

Chrys Chrystello presidente da direção e da comissão executiva da AICL