a agonia da casbah de Tânger edificada pelos portugueses

A agonia da Casbah de

LER AQUI A-agonia-da-Casbah-de

A agonia da Casbah de Tânger

Posted by Frederico Mendes Paula on 11 de dezembro de 2014 /Posted in: ARQUITETURA, FORTIFICAÇÕES, PORTUGAL EM MARROCOS. Tagged: Casbah de Tânger,muralhas, reabilitação. Deixe o seu comentário

A Casbah de Tânger, ou castelo daquela cidade, património de inegável valor arquitetónico, encontra-se numa situação deplorável. A sua fachada Norte colapsou parcialmente e está em risco de ruína total, ameaçando a derrocada.
O imóvel integra-se na cintura de muralhas construída pelos portugueses durante os quase 200 anos em que aí permaneceram, resultado da reformulação da antiga cerca que já existia desde o século XII. A Casbah foi implantada no ponto mais alto da cidade, em situação sobranceira em relação à Medina, desfrutando de uma vista panorâmica sobre o Estreito de Gibraltar.
A falta de conservação e a instabilidade do talude em que assenta, são fatores determinantes para a situação crítica a que a Casbah chegou.

A Casbah de Tânger em meados do século XX . foto Bernard Rouget
A cidade de Tânger era já fortemente fortificada à data da sua conquista pelos portugueses, como atesta Ruy de Pina na “Chronica d’el Rey D. Duarte”. No entanto os portugueses introduzem profundas alterações no seu sistema defensivo, “atalhando” as muralhas por forma a melhor controlarem a cidade e dotando-as de baluartes adaptados às mais recentes técnicas da pirobalística, como o famoso Baluarte dos Fidalgos, intervenção dirigida pelo arquiteto Miguel de Arruda. A marca portuguesa dominante nas fortificações de Tânger é inegável, como atesta o próprio Ministério da Cultura de Marrocos no seu “Inventaire et Documentation du Patrimoine Culturel du Maroc”, ao afirmar que “a muralha atual data em grande parte da época portuguesa (1471-1661)”, apesar da pré-existência Islâmica e das intervenções subsequentes realizadas pela Inglaterra e pelos sultões Alauítas.
A Casbah no ano de 2009 . foto Abdellatif Achhab e Fier Marocain
No ano de 2009 a Casbah apresentava uma fissuração muito pronunciada, descolamento de paredes e desaprumos, evidenciando instabilidade da sua fundação, assente num talude que exigia uma intervenção de consolidação urgente. Várias pessoas chamaram a atenção para o a situação, mas a derrocada parcial aconteceria no ano seguinte.

Situação em 2010 . foto Abdellatif Achhab e Fier Marocain
Não se tendo realizado quaisquer trabalhos de reparação, no final de 2010 um tramo da Casbah acabou por ruir, retirando à construção o seu contraventamento estrutural e colocando-a em estado de derrocada eminente. Dado que se verifica uma fissuração generalizada dos panos edificados, deterioração dos seus rebocos e consequente exposição à ação de lavagem pelas águas das chuvas, os descolamentos e desaprumos irão acentuar-se e o risco de ruína agravar-se.
Em 2010 ainda houve uma tentativa de conter a derrocada da Bab Ar-Raha, porta situada no mesmo pano da muralha, através de um escoramento e tentativa de consolidação do talude, mas a porta acabaria por ruir também.

Situação em novembro de 2014
O facto de o pano Norte das muralhas de Tânger assentar sobre um talude muito sujeito à ação das intempéries, na base do qual foi construída uma via rodoviária, que lhe imprime vibrações afetando a sua estabilidade, constitui um fator de aceleração das patologias que apresenta.
É fundamental uma intervenção de emergência neste imóvel, que para já sustenha a sua previsível derrocada, através da colocação de uma estrutura de contenção e escoramento, para que, paralelamente, sejam realizados os necessários estudos de diagnóstico e propostas de intervenção, e se leve a cabo uma ação de reconstrução, consolidação e reforço estrutural.

Em 2011 foi lançada uma petição para tentar salvar a Casbah de Tânger, propondo a sua classificação a Património da Humanidade, iniciativa que parece não ter tido grande sucesso. Link

http://www.causes.com/causes/615260-sauvons-la-casbah-de-tanger?recruiter_id=85780227

As obras atualmente em curso no pano Nascente da muralha
O pano Nascente da muralha de cidade está neste momento a sofrer uma intervenção de recuperação, integrada no âmbito da construção do novo porto de Tânger. Será que não faria sentido também canalizar verbas para evitar a morte da Casbah?
Bibliografia:
CARABELLI, Romeo . “L’Héritage Portugais au Maroc, un patrimoine d’actualité” . Mutual Heritage
MINISTERIO DA CULTURA DE MARROCOS . “Inventaire et Documentation du Patrimoine Culturel du Maroc . Remparts de la ville ancienne de Tanger”
PINA, Ruy de . “Chronica d’el Rey D. Duarte” . Gabriel Pereira, editor, Lisboa, 1901
https://historiasdeportugalemarrocos.wordpress.com/2014/12/11/a-agonia-da-casbah-de-tanger/#more-3164

“onde estamos”,_.___in diálogos lusófonos Enviado por: Margarida Castro

Publicado por

lusofonias.net

Chrys Chrystello jornalista, tradutor e presidente da direção e da comissão executiva da AICL