Açores geólogos e vulcanólogos por Victor Hugo Forjaz

Dia do Geólogo – 1

 

Sexta, 30 de Maio de 2014 Partilhar

 Colunista:

Victor Hugo Forjaz

1 – Dizem-me que inventaram mais um dia comemorativo — o Dia do Geólogo , hoje , 30º dia de mês de Maio , um  mês de santidades . É dia sem direito a feriado ou dispensa de serviço. Ou bónus como os de certos bancos . Dizem-me ,uns longínquos  colegas e amigos , que é o dia , em          que eu  ,como decano indígena  ( o mais velhote ,entenda-se ) devo recordar coisinhas dessa profissão aqui , na Região Autónoma , sem partitura , cábula ou  assôpro . Assim, arriscando   um pensamento de   Luther King ( “Para se ter inimigos basta emitir uma       opinião “….) avanço com um resumo recordatório do que tem sido a Geologia nos Açores , resumo para um público generalista , nomeadamente políticos .  E realço “resumo” porque a história ,nomeadamente a pós-abrilina ,é  um longo romance de capa e espada , já  escrito ,  bem guardado  e que alguns políticos  detestam recordar .

2 – Um  geólogo é o  profissional que se dedica a estudar e a divulgar o conhecimento geológico , a História da Terra , a génese e evolução do planeta que habitamos com maior ou menor  ou nenhuma felicidade . Há séculos , a Geologia encontrava-se associada  com a  Filosofia , fase interessantíssima  para a compreensão das que se seguiram . No sécº XIX  a Geologia  passou a integrar as Ciências Histórico-Naturais e no 2º quartel do  séc. seguinte passou  a assumir-se como Ciências da Terra e do Espaço ,modelo CEE/EU . Presentemente já existem astrogeólogos ( tal como os astrobiólogos,gente estranhíssima …. ),geólogos lunares geólogos marcianos ,etc.Nos Açores já existiu a tentativa de dividir , tal como nas castas da India ,  a classe geológica regional  e assim  criar a profissão de vulcanólogo “made in Azores” , exclusivo da nossa  querida universidade .Arrumei com a tontice  ( antes de “subir” ao reitorado  do “amen”)  recordando que Haroun Tazieff , 1º doutor honoris causa da nossa bendita universidade e decerto  um dos maiores do mundo,era engº agrónomo e que Frederico Machado,o maior vulcanólogo nacional,era engº civil . Os proponentes ficaram desapontados   , quase desistindo,  mas voltarão à carga …. O conhecimento geológico ,dizem os economistas , está relaccionado  com o estado de desenvolvimento de cada país ,de cada região .Compete aos geólogos inventariar e  descobrir minerais e rochas, descrever camadas sobre camadas e respectivos significados , realizar a várias escalas  as denominadas cartas geológicas e suas variantes temáticas , fornecer à  engª  civil os parâmetros geotécnicos que necessitam, estudar a génese ,a circulação e a extracção  da água  ( o bem geológico mais precioso do planeta —-frequentemente mal gerido ) ,identificar e aconselhar as situações de perigos geológicos

1(2)30-5-2014

2(2)

( recorrendo à   sismologia ,à  vulcanologia ,à  geotecnia, à  protecção  civil ,à tecnologia ).   Geólogo é uma profissão planetária , imprescindível e insusbstituível por  equipamentos informáticos ; estes serão sempre meros auxiliares , simples complementos , embora  cada vez mais apaixonantes  .

3 – A geologia dos Açores pode ser dividida em dois grandes períodos , ou seja,  antes e depois  do Projecto  Geotérmico  de 1976 ( incluindo S.Migue,Terceira ,Faial,Pico e Flores) .

4 – O período ante-1976 ainda pode ser dividido em  várias  fases , algumas de incómoda explicação para a maioria dos leitores .Pelo que apenas sintetizamos as mais evidentes.

Porém tem interesse recordar que Gaspar Frutuoso , o famoso cronista das Saudades da Terra ,no séc. XVI, já foi considerado o 1º vulcanólogo português , dadas as suas espantosas descrições do relevo e litologias  das ilhas ,nomeadamente quanto à ilha de  S.Miguel   . Porém a 1ª narrativa geológica e científica  dos Açores deve-se a John Webster , obra em inglês,  editada em Boston  em 1821 e intitulada “Uma descrição da Ilha de S.Miguel , Compreendendo o relato da sua Estrutura Geológica ;com anotações sobre  outras ilhas dos Açores, as  localizadas a poente “. Adquiri  essa raríssima  obra  na  saudosa e célebre Livraria  Nove Estrelas , do Dr José de Almeida , à rua do Mercado .  O livro de Webster circulou pelo mundo científico de então e deu brado a sua trágica  morte , em Boston, por enforcamento , por ter mandado matar um  fornecedor  a quem devia volumosa maquia .

Seguiram-se diversos e saltitantes   naturalistas de diversas nacionalidades , como Hulbert        ( 1827 – Volcanoes of the Azores…. etc) , Hartung e Esenwein ,  militares e mineralogistas  vivendo  em  Lisboa   , alguns  publicando excelentes  descrições geológicas e até descobertas   ( como o mineral azorite de Alfredo Bensaúde,genial fundador do Inst.Sup.Técnico ) e o mineral  faialite ,composto essencial da olivina , descoberto na Praia do Norte da ilha do Faial .

A estadia do  Principe Di Conti ,em SMiguel , em 1950 ,a convite da Dr Augusto Arruda ,embora combatida pelo partido único ,a União Nacional, conduziu ao início da cartografia das ilhas por equipas dos Serviços Geológicos de Portugal-SGP  , em 1956 . O raiar da erupção dos Capelinhos ( tinha eu 16 anos …)apanhou a missão dos SGP em pleno trabalho de campo ,em 1957 ,em SMiguel,dirigida pelo Doutor Georges Zbyszewski , filho de príncipe polaco que se exilou em França . Um dos filhos ( Georges ) mudou-se para  Lisboa . O doutor Zbyszewski executou primorosos mapas geológicos dos Açores  ( peças sempre de difícil aquisição)  e encarregou-me de realizar a Carta Geológica de S.Jorge , após a crise sismovulcânica de 1964 , a 1ª carta  oficial  que inseria a   vulcanoestratigrafia da ilha ,ou seja ,   a divisão das diversas grandes formações geológicas  por idades ( os Complexos Vulcânicos ) .  A carta de S.Jorge constituiu a minha tese de  estágio científico da licenciatura em Geologia  e foi classificada pelo Catedrático de Geologia da FCUL Professor Doutor Carlos Teixeira  .  O respeitadíssimo geólogo  Zbyszewsky ( ou apenas  Doutor Zby para os  que  com ele conviviam  ) organizou 2 belas memórias sobre Capelinhos ,  ainda referências mundiais .  Era amigo de Tazieff ,também polaco , 1º doutor honoris causa da Univ.Açores  . Nem um retratinho dele  ( nem de outros honoris ….) existe naquela  santa casa ….. !!!! Por causa dos proponentes , decerto .

Dia do Geólogo – 2

Sábado, 31 de Maio de 2014 Partilhar

 

1 – A cartografia de Zbyszewski impressiona pelo rigôr dos limites geológicos .Mas enferma  de um mal de época ,ou seja, nas cartas geológicas de temática vulcanológica não era hábito seriar as formações por idades , mesmo que relativas. Como já se registou, a carta de S.Jorge foi a 1ª a adoptar essa norma . Terminada  e impressa a cartografia geológica oficial dos Açores , entrou-se na rotina de sempre — um ou outro cientista estrangeiro visitando uma ou outra ilha e a habitual campanha de verão da Fac.Ciências de Lisboa .Ainda cheguei a permanecer na Junta Geral do Distrito de Ponta Delgada 3 meses,em 1969, ( trabalhando também para o poço científico profundo Moho  da Univ. canadiana de Dalhousie ) mas o Prof.Carlos Teixeira não conseguiu o meu destacamento por mais tempo  .Entretanto passei a integrar,como representante da Geologia, a Comissão Geotérmica integrada no Grupo do Petróleo, dirigida pelo engº Barreto de Faria  e com  escritório na Braamcamp.A FCUL ainda era representada pelo agrupamento de Geofísica (Prof. L.Mendes -Victor).O Instituto Superior Técnico delegou-se no Prof Luís Aires-Barros . A Comissão Geotérmica   trabalhou arduamente mas foi esmorecendo até ao 25 de Abril de 1974porque os interesses petrolíferos eram gigantescos e poderosos  a nível de arquipélago …

2 – Com a Revolução de Abril  retomou-se o  Projecto Geotérmico de S.Miguel.Em  Agosto de 1975 organizou-se ,nas Furnas,o  agitadíssimo Seminário NATO de Pequenas Centrais Geotérmicas   ( patrocinado pelo  Ministério da Educação e  pela embaixada dos EUA).  Entretanto passei  diversas semanas a visitar centrais geotérmicas  em diversos estados da Califórnia , do México e da América Central .Também estagiei em  equipas de  diversos poços geotérmicos profundos ,nos Geysers . Na Califórnia reencontrei o engºÁlvaro Silva,da Ribeira Grande,que se mostrou fulcral no avanço do PG , via S.Francisco .Em Dezembro de 1975 ,encontrando-me no Faial  a estudar as fundações do novo hospital, recebi o pedido para me apresentar,no regresso a Lisboa,no Palácio da Conceição,em SMiguel,a convite do General Altino Pinto de Magalhães  ( Presidente da nova Junta Regional e que o Prof José Enes , residindo na Guarda , julgava ser  Almirante ,conforme carta de oferta dos seus  serviços  que me deram do arquivo da Junta ).Nesse fim de Dezº de 1975  aceitei ,com muito entusiasmo mas  grande ingenuidade  ,fixar-me em SMiguel uma temporada  ,secretariando a Junta no sector da Investigação Científica e Ensino Superior ( assim o estampam  o contracto e a requisição à FCUL ). Pretendia-se instalar o Instituto Universitário  dos Açores — IUA ( depois Universidade ) e o Instituto de Geociências  dos Açores–IGA  ( que ” genealogicamente” e após difíceis ” hemorragias” e  “filharada” com diversos” progenitores”  gerou a  actual Sogeo SA,em fase de integração em nova empresa…).

1(2)

2(2)

3 – Tomei posse em 1976 . Reuni-me com os Professores Frederico Machado,vulcanólogo, e Ávila Martins,geólogo .Idealizou-se como contratar jovens   geólogos de várias especialidades  , geofísicos  de diversos ramos e engenheiros desde civis a  peritos em sondagens  e em termodinâmica . E esses técnicos até poderiam leccionar no IUA… . Entretanto apareceu a legislação que criava o IUA e surgiu a consequente Comissão Instaladora .Com os citados professores (FM e AM ) manteve-se a cordialidade  de muitos anos ( aliás sucedi ao Prof Ávila Martins , no Departamento de Geociências ,em 1982 ).Mas o Reitor José  Enes , o Dr Álvaro Monjardino e o engºJoão Bernardo Rodrigues ,da comissão instaladora ,moveram-me ,de imediato ,demolidora e inesperada ” guerra”  .Ou seja , tontamente temiam que a geotermia — via IGA — ofuscasse o IUA ! !E que a geotermia iria diminuir drasticamente  as vendas de petróleo , suspeitou-se ,também…Foi um erro crasso ! !

4 . O contrato da geotermia foi assinado em 1976 , em  SMiguel , com grande pompa ,para acalmar a FLA,segundo o General….Deslocaram-se   à ilha o Dr João Palma Carlos,Procurador Geral da República e o Secretário de Estado da Energia.Em concurso internacional  já estava   seleccionada ,  como operador geral , a empresa norteamericana Geonomics Inc  . Contratualmente , a  cada técnico estrangeiro correspondia um técnico português visando a transferência de know how . Assim —ao petrólogo estrangeiro correspondia o Dr Herlander Correia perito  vindo da Universidade de Évora .Ao hidrogeólogo italiano equivalia o Dr José Barradas,hoje Prof.na U.Aveiro. Ao geofísico”espert” em  geoelelectricidade associava-se o Dr Luis Teodoro ( que executou brilhante trabalho nas pesquisas geotérmicas  da Terceira,em 1997, com Francisco Rocha  ).   Ao sismólogo californiano  equivalia a Drª Manuela Mendes  ,hoje distinta  professora do IST .Como empresa sondadora escolheu-se a nacional A.Cavaco.de raíz  açoreana. Etc ,etc .  Durante  4 anos vasculharam-se as geologias e as  profundezas de algumas ilhas e em 1980 o vulcão do Fogo–Serra de Água de Pau começou a produzir geoelectricidade !  Ao fim e ao cabo fez-se em 1976-1980  o que agora se pretende  realizar com os islandeses através do programa de treino e de formação  etiquetado de  GAIa-EU 2020 , pomposamente anunciado pelo grupo EDA como uma grande novidade… . Irra — levaram anos a compreender  que depender de estrangeiros custa milhões  !!! Milhões irrecuperáveis .

Mas porque falharam os ensinamentos de 1976-80 ? Conduzindo ao regresso de imprescindíveis  técnicos às suas origens continentais ?…. Apenas porque  invejas pessoais ,políticos metediços e o  desejo de poder por absolutos ignorantes assaltaram o projecto geotémico. Apenas em 1991 o bom senso e as escolhas certas  seleccionaram  as soluções certas . Mas em  2002 regressaram as” encenações “de Monteiro da Silva e de um Rui qualquer coisa,geólogo-director do campo geotérmico  , ambos qual triste sina. O maior projecto geológico dos Açores  já  terá feito  contas aos milhões perdidos  e ao tempo desacreditado  ?

5 – Nesta listagem ainda ainda se justificaria  uma análise da geologia universitária,desde 1995, comparando-a com o período 1981-1995 . Mas o  Dia do Geólogo tem espaço limitado .Essa análise sairá publicada  mais adiante . Porque entretanto , relendo Shakespear , deparei com os gritos impotentes do  Rei Lear perante a  Ímpia Fatalidade e o Feroz  Destino que não conseguimos controlar  —- “Esta é a praga destes  tempos quando loucos guiam os cegos ! !” .

 

Colunista:

Victor Hugo Forjaz

Outros Artigos de Victor Hugo Forjaz

Mais Artigos

Please follow and like us:
error