(Re)ler Onésimo Almeida faz bem à alma, onésimo almeida

Foi recentemente lançado no mercado português, pela editora Clube do Livro,
o mais recente livro de Onésimo Almeida, em forma de antologia que reúne,
num volume de 395 páginas, alguns dos seus melhores textos. Esta é a primeira
antologia de textos deste prolífico escritor, e ao apostar nesta edição, em
que o seu autor apenas Onésimo – Português sem Filtro O best of da “escrita onemesiana”

escreveu uma breve nota prévia, a editora

proporciona ao público português (e não só) este recomendável best of da “escrita
onemesiana”. Onésimo Almeida é, indubitavelmente, um dos melhores escritores
portugueses da atualidade, e é com agrado que os seus ávidos leitores saudarão
o aparecimento desta antologia.

Se ler uma obra deste prolífico escritor é já em si um prazer, este é ainda
maior quando, num único livro estão reunidos algumas das suas melhores
crónicas, que ele apelida sagazmente de “ensaios em mangas de camisa”. Assim
sendo, neste volume ora editado, encontramos uma seleção de textos de cinco
obras suas, a saber Sapa(teia) Americana, Que Nome É Esse, ó Nésimo? – e
outros advérbios de dúvida, Rio Atlântico, Onze Prozemas (e um final
merencório), e Aventuras de um Nabogador & outras estórias-em-sanduíche. Os textos selecionados foram dispostos tematicamente nos cinco capítulos que compõem esta portentosa obra, intitulados, respetivamente “Da Portugalite Crónica”,
“Da Lapa Atlântica”, “Da Margem Luso-Americana do Rio”, “Do Imenso Mar
Americano” e “Por Esse Mundo em Cata de Sentido”.

(Re)ler este autor é entrar no seu mundo, composto por vários mundos, o de
ambas das margens do Rio Atlântico, o do meio deste rio, e de muitos outros.
Onésimo Almeida é, na verdadeira aceção do termo, um cidadão do mundo, e a
o (re)lermos os seus textos acompanhamo-lo nas suas viagens por diversos
quadrantes.
O seu estilo peculiar de dizer as coisas cativa-nos logo às primeiras
linhas e à medida que passamos as páginas ficamos literalmente agarrados às suas
palavras, e queremos ler mais e mais e mais. O humor é uma arma, quando
utilizado com conta, peso e medida, e este autor sabe utilizá-la, na dose certa,
com mestria. Ao longo da leitura de algumas destas crónicas damos por nós a
rir a bandeiras despregadas com o modo pelo qual ele descreve várias
situações. Mas para além do riso, alguns textos deste autor também nos fazem
pensar, e muito, ao acompanharmos o seu raciocínio sobre diversos temas, que
apesar de já terem sido escritos há algum tempo, ainda fazem parte da
atualidade.
Este escritor consegue dizer muito em poucas palavras, pois escreve, à boa
maneira americana, to the point, sem entrar em muitos devaneios nem
floreados inócuos. E esse facto leva-nos a fruir avidamente os seus textos, que se
seguem em catadupa.

Apesar de viver nos Estados Unidos há várias décadas, Onésimo Almeida tem
os Açores e Portugal no seu coração, mas essa afetividade não o inibe de
tecer, por vezes, juízos críticos sobre a(s) realidade(s) portuguesas que tão
bem conhece. No mundo que talvez lhe seja mais familiar, a L(USA)lândia, este
autor colhe um manancial de histórias e estórias que transcreve para o
papel de um modo peculiar. Ler os seus textos é ficar a conhecer, de um modo
realista, os açorianos e o caráter dos homens das ilhas. E também sobre o que
é ser emigrante, e sofrer com a ausência da terra natal, e das vicissitudes
que os expatriados têm que lidar no seu quotidiano, no país to Uncle Sam,
que é mais tio para uns do que outros.

Ao longo da sua vida de escritor, Onésimo Almeida tem recebido inúmeras
críticas positivas sobre a sua produção literária, e na parte final desta obra,
encontramos alguns excertos de comentários aos seus livros de diversos
autores reputados, a saber, Eugénio Lisboa, Urbano Tavares Rodrigues, Maria
Alzira Seixo, João de Melo, João Maurício Brás, Fernando Venâncio, Ana Paula
Coutinho, Ungulani Ba Ka Khosa, George Monteiro, Gabriel Magalhães, David
Brookshaw, Vamberto Freitas, Francisco Fagundes, Pedro Teixeira Neves e Dinis
Borges, que vêm confirmar e sublinhar os dotes criativos deste prolífico autor.
Mas para além destes, esta obra encontra-se ainda enriquecida com um
Posfácio da autoria de Miguel Real, que traçou uma interessante análise aos textos
que compõem esta fantástica antologia.

Diz o autor que “O nome estranha-se. As estórias entranham-se.” E de que
maneira. Depois de ler este autor ficamos mais ricos, mais cultos, e
sobretudo mais alegres e bem-dispostos, e nunca esqueceremos as suas narrativas que, à vez, nos alegram, comovem, e educam.

(Re)ler Onésimo Almeida faz bem à alma, e no estado atual que Portugal
atravessa, precisamos de algo a que nos agarrar, algo que nos distraia do
cinzentismo e negativismo que abafa e sufoca o país. (Re)ler Onésimo Almeida não
será a solução para os nossos problemas atuais, mas com certeza que nos
dará outro ânimo para enfrentá-los. Aqui fica pois uma sugestão cultural para
ajudar a combater o nosso triste fado.

Please follow and like us:
error

Publicado por

CHRYS CHRYSTELLO

Chrys Chrystello jornalista, tradutor e presidente da direção e da comissão executiva da AICL