morreu Fernando Aires

1.       9 NOVEMBRO 2010    VER CADERNO DE ESTUDOS AÇORIANOS 7
Faleceu esta manhã – 9/11/010 – em Ponta Delgada, o autor Fernando Aires, cuja obra iria ser – em tempo – transcrita em excertos nos Cadernos Açorianos dos Colóquios da Lusofonia e extratos dela na Antologia dos Autores Açorianos Contemporâneos da autoria de Helena Chrystello e Rosário Girão a incluir no currículo escolar regional.
Biografia
Fernando Aires nasceu em Ponta Delgada, ilha de São Miguel (Açores) em 1928 e frequentou o Liceu Nacional da mesma cidade entre 1940-1947 onde completou o Curso Complementar de Letras. Matriculado na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas. Professor efetivo no Liceu Antero de Quental, cumulativamente orientou estágios pedagógicos durante vários anos e lecionou a cadeira de Psicopedagogia na Escola do Magistério Primário de Ponta Delgada. Aposentou-se na situação de assistente-convidado da Universidade dos Açores, cargo que exerceu de 1975 a 1994. Pertenceu ao grupo que, nos anos 40, fundou o Círculo Cultural Antero de Quental, destinado a introduzir o Modernismo nos Açores. De 1978 a 1989, fez parte da Direção do Instituto Cultural de Ponta Delgada. Está representado na Enciclopédia Verbo das Literaturas de Língua Portuguesa, onde tem colaborado desde 1993.
Obras ensaísticas: Faria e Maia e Antero (ensaio, Angra do do Heroísmo, 1961);
 José do Canto Vivo (separata da revista Arquipélago, Universidade dos Açores, Ponta Delgada, série “Ciências Humanas”, nº 3, 1981);
José do Canto – Subsídios para a História Micaelense (1820-1898) (Universidade dos Açores, Ponta Delgada, 1982);
 Afonso Chaves (separata da revista Açoreana, Ponta Delgada, 1982);
Alice Moderno – A Mulher e a Obra (separata da revista Insulana, vol. XLI, 1985); Delinquência e Emigração em S. Miguel na 1ª Metade do Século XIX (separata da revista Insulana, Ponta Delgada, 1988).
Contos: Histórias do Entardecer (Secretaria Regional da Educação e Cultura, col. Gaivota, 1988. Ganhou o Concurso Literário Açores/88);
Memórias da Cidade Cercada (Lisboa, Edições Salamandra, 1995). Obras autobiográficas: Era uma Vez o Tempo (Diário I, Ponta Delgada, 1988; Diário II, Ponta Delgada, 1991; Diário III, Lisboa, Edições Salamandra, 1993; Diário IV, Lisboa, Edições Salamandra, 1997; Diário V, Lisboa, Edições Salamandra, 1999),
A Ilha de Nunca Mais (ficção, Lisboa, Edições Salamandra, 2000).
Outras páginas sobre o autor:
Títulos
                                          
Please follow and like us:
error

Publicado por

chrys chrystello

Chrys Chrystello presidente da direção e da comissão executiva da AICL